Vídeo: RPAs bloqueiam a Ponte General Dutra em protesto por falta de pagamento

Trânsito parado causou retenção de cerca de dois quilômetros, segundo a concessionária

Campos
Por Redação
13 de fevereiro de 2020 - 11h26

Um grupo de pessoas que presta serviço para a Prefeitura de Campos dos Goytacazes em Regime de Pagamento Autônomo (RPA), fecharam a Ponte General Dutra, na manhã desta quinta-feira (13), em protesto pela falta de pagamento. A categoria alega que está há quase quatro meses sem receber. No dia 31 de janeiro, a Prefeitura depositou o salário apenas dos RPAs da Secretaria de Saúde, mas, na época, o órgão não deu prazo para o pagamento dos prestadores de serviço das demais pastas.

Manifestantes bloquearam a Ponte General Dutra (Foto: Carlos Grevi)

Ainda de acordo com os manifestantes, a Prefeitura de Campos deve ao grupo 50% do salário de setembro e os salários integrais de novembro, dezembro e janeiro. O mês de outubro foi pago ainda no ano passado. Como os RPAs lotados na Secretaria de Saúde receberam no final de janeiro, eles estão com dois meses e meio de salário em atraso. Segundo a Prefeitura, o pagamento dos RPAs da Saúde foi realizado com recurso da própria pasta.

“Estamos há quatro meses sem receber, passando necessidade dentro de casa. Eu, por exemplo, tenho duas filhas e elas estão pedindo material escolar, pedindo coisas para comer, e o prefeito não paga meu salário. A situação é muito difícil, pois estou com contas de luz e água em atraso, e outras despesas também atrasadas porque ainda não recebi. As pessoas ficam ligando, cobrando o que devo, me sinto envergonhada”, desabafou Waleska Souza, uma das manifestantes.

Os manifestantes fecharam o acesso à ponte, no trecho urbano da BR-101, altura do km 62, com galhos e pneus, impedindo o fluxo de veículos no local.

Esta não foi a primeira reivindicação de salário feita pela categoria. No dia 30 de janeiro, outro grupo se concentrou na Avenida XV de Novembro, perto do Hospital Ferreira Machado (HFM), com o mesmo propósito.

De acordo com a Arteris Fluminense, concessionária que administra a rodovia, a manifestação causou engarrafamento de dois quilômetros. O bloqueio começou por volta das 10h30 e o trânsito foi liberado às 11h50.

Confira o posicionamento da prefeitura sobre o assunto:
“A Prefeitura de Campos continua refazendo seu planejamento para retomar pagamentos prioritários, entre eles, os dos trabalhadores por Recibo de Pagamento Autônomo (RPA). Em função da determinação da justiça para o pagamento do 13° dos servidores em dezembro, janeiro e fevereiro, foi necessário alterar o cronograma. A situação se agrava com a queda drástica no repasse de royalties do petróleo, considerado o segundo pior da história do município. Somente em 2019, as perdas de receitas oriundas do petróleo foram superiores a R$ 200 milhões.”

 

Trânsito foi liberado às 11h50 (Foto: Carlos Grevi)