Iphan já iniciou as obras no Asilo do Carmo

Intervenções estão limitadas à estrutura e não passam pela restauração do prédio histórico

Campos
Por Redação
11 de junho de 2019 - 15h00

Obras no Solar Santo Antônio devem durar 180 dias (Foto: Silvana Rust)

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já deu início às obras de reparo emergencial do Solar Santo Antônio, onde funciona o Asilo do Carmo, em Campos dos Goytacazes. De acordo com o órgão, inicialmente, o prazo de execução previsto no contrato é de 180 dias com custo de R$ 1.339.413,09. No entanto, segundo lembrou o presidente da Associação Mantenedora do Asilo do Carmo, Marcelo Azevedo, as intervenções estão limitadas, praticamente, à estrutura e não passam pela restauração do prédio principal e nem do anexo onde ficam os idosos. Após a conclusão da obra, o prédio histórico permanecerá fechado. Os 57 idosos que moram no Asilo do Carmo foram transferidos mês passado para o Asilo Monsenhor Severino, onde devem permanecer até o fim dos reparos.

Em nota, a assessoria de imprensa do Iphan informou que a intervenção já iniciou e engloba, entre os itens mais importantes, a imunização integral do imóvel contra cupins, a recuperação estrutural de alvenarias e a restauração dos telhados. Essas primeiras semanas são de preparação do canteiro de obras e de limpeza, organização, proteção e escoramento dos espaços no interior do Solar para que, só então, as obras propriamente ditas se iniciem.

Idosos foram transferidos no mês passado (Foto: Carlos Grevi)

Também de acordo com o órgão, a estimativa é de que na obra cheguem a trabalhar por volta de 20 operários, mas esse número só deve ser atingido em momento mais adiante.

A obra do Solar Santo Antônio é aguardada por pelo menos três décadas. Contudo, Marcelo Azevedo destaca que o prédio histórico, tombado pelo Iphan, pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) e pelo Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Campos (Coppam), seguirá fechado após a finalização dos reparos, já que a restauração completa não será realizada neste contrato.

“O contrato atual prevê intervenções pontuais, como descupinização, troca do telhado e reforço no escoramento do prédio. Por isso o casarão permanecerá lacrado”, reiterou.

Em relação às obras no anexo onde os idosos ficam, ainda não há previsão para início das obras, que serão custeadas pelo próprio Asilo do Carmo.

A instituição completa 115 anos em outubro.