Assessores de vereadores de Campos receberam mais de 200 mil do Ceperj

Agência do Bradesco em Campos pagou R$12 milhões na boca do caixa a prestadores de serviço

Estado do RJ
Por Redação
5 de agosto de 2022 - 11h41
Câmara Municipal de Campos (Foto: Divulgação)

O escândalo envolvendo pagamentos de verbas da Fundação Ceperj foi alvo de uma nova reportagem na Rede globo, na noite desta quinta-feira (4). No RJTV 2ª Edição, uma reportagem revelou que 12 assessores nomeados em gabinetes de cinco vereadores de Campos receberam um montante que ultrapassa os R$ 200 mil do órgão estadual, mesmo sendo funcionários lotados nos gabinetes. Segundo o levantamento feito pela Globo, somente os assessores do gabinete de Raphael Thuin, sacaram na boca do caixa o valor de R$123 mil, dentre os assessores, está o chefe de gabinete de Thuin, Luiz Carlos Chicre, ele fez 6 saques, totalizando R$27 mil. Os outros quatro assessores sacaram juntos R$ 96 mil.

Os outros vereadores cujos assessores receberam do Ceperj são Luciano Riolu, Marquinhos do Transporte, Maicon Cruz e Igor Pereira. Wine Mendonça Rocha, assessora de Maicon Cruz, fez cinco saques na boca do caixa, que totalizaram R$ 30 mil. A equipe de reportagem percorreu todos os gabinetes, mas não encontrou os assessores, nem os vereadores citados. O único assessor encontrado foi Luiz Carlos Chicre, que não quis se pronunciar.

A reportagem também apurou que a cunhada do deputado, líder do governo na ALERJ, Rodrigo Bacellar, citado na matéria como um dos políticos envolvidos no esquema de contratações do Ceperj. Bárbara Lima recebeu mais de R$ 22 mil, em dois saques feitos em junho e junho deste ano. Ela é namorada do vereador Marquinho Bacellar, irmão de Rodrigo.    

O deputado Rodrigo Bacellar fez um pronunciamento na ALERJ nesta quinta-feira (4), onde disse que “a verdade tem que ser apurada, mas sem espetáculos em período eleitoral”. Ele também parabenizou a atuação do Ministério Público. Em nota enviada ao RJ-TV, ele disse que não pratica irregularidades na sua vida privada e pública e que a cunhada dele prestou serviços como autônoma, por dois meses à fundação Ceperj, não ocupando cargo público.

O Jornal Terceira Via entrou em contato com os vereadores e com a assessoria do deputado Rodrigo Bacellar. Até a última atualização desta reportagem, só havia recebido retorno da assessoria de Raphael Thuin, que informou o seguinte: “Esclareço que todos os funcionários do gabinete que foram citados na reportagem cumpriam suas tarefas com regularidade. Porém, como forma cooperação e boa-fé optei por exonerar todos citados até que seja esclarecido todos os fatos, e se há alguma incompatibilidade com as funções atualmente exercidas”.

O Terceira Via aguarda e publicará o posicionamento dos demais citados quando e se houver retorno.

LEIA TAMBÉM

Jornalista campista é apontado pelo MP-RJ como “funcionário que recebeu mais dinheiro” de suposto esquema na Ceperj

Portal UOL revela suposto esquema no Governo do Estado com saques de R$ 226 milhões só este ano

Justiça proíbe contratação e pagamento de pessoal pelo Estado, via Ceperj, sem transparência

Governador do Rio exonera presidente da Ceperj em meio a denúncias