Por 3 x 2 STF decide manter as provas da Operação Chequinho

Decisão pode inviabilizar a candidatura do ex-governador Anthony Garotinho

Blog dos Jornalistas
Por Blog dos Jornalistas
1 de julho de 2022 - 10h02
Thiago Ferrugem é réu na ação (Foto: Carlos Grevi)

Por 3 votos a 2, o Supremo Tribunal Federal (STF) restabeleceu, nesta sexta-feira (1º), a condenação do ex-vereador Thiago Ferrugem no caso “Chequinho”. O ministro André Mendonça, que havia pedido vistas do processo votou pela manutenção das provas, formando maioria na Segunda Turma do tribunal. Para a defesa do ex-governador Anthony Garotinho, uma vitória de Ferrugem seria fundamental para a empreitada da candidatura ao governo do estado.

Em março deste ano, o ministro Ricardo Lewandowski havia acatado o recurso de Ferrugem e anulado o processo criminal da operação Chequinho. Ele havia sido condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em agosto de 2019, a três anos e oito meses de prisão, substituídos por pagamento de multa e proibição de exercer cargos públicos, por suposta troca de votos por benefícios do programa Cheque Cidadão na eleição municipal de 2016. Neste julgamento, Lewandowski manteve a anulação da ação penal, e foi acompanhado pelo ministro Gilmar Mendes.

Diferente dos dois primeiros, o ministro Edson Fachin abriu divergência e acatou o recurso da PGR para restabelecer a condenação, e foi seguido pelo ministro Nunes Marques. André Mendonça, que havia pedido vistas, devolveu os autos nesta sexta-feira (1º), acompanhando o voto de Fachin.


LEIA TAMBÉM
Ministro Ricardo Lewandowski anula condenação de Thiago Ferrugem na Chequinho