Conheça a trajetória histórica do Jardim São Benedito

De praça municipal a Parque Nilo Peçanha

Imagem do Parque Nilo Peçanha e ao fundo a Igreja São Benedito, do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes

Ampla área verde, arborizada e com jardins, que representa uma das mais importantes áreas de lazer do município. Onde a população encontra bancos para descansar à sombra de frondosas árvores, e próximos aos belos lagos artificiais. Local ideal para a população realizar suas caminhadas, praticar esportes nas quadras e na academia ao ar livre. A diversão também é garantida para as crianças com os brinquedos típicos. Essa área vem sendo continuamente palco de memoráveis comemorações que atraem a população de toda a cidade, como as festas de São Benedito, o Dia da Criança, dentre outras.

A beleza dos jardins de outrora recentemente restaurada, a edificação sede da Academia Campista de Letra, e os bustos de nossos vultos campistas são vestígios do passado de ocupação deste espaço, demostrando como o Jardim de São Benedito possui história.

Imagem do Coreto e da Escola ao Ar Livre no Parque Nilo Peçanha, do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Sua origem como lugar de passeio público remota ao ano de 1850. De acordo, com o memorialista Horácio Sousa, foi neste ano que a Câmara Municipal cogitou a desapropriação dos terrenos necessários para construção deste espaço, cujo nome oficial era Praça Municipal, desenhada na planta da cidade. Em 1851, sendo preciso se concluir a abertura desta praça, foi criada uma comissão de vereadores para convencer o Barão de São João da Barra, o maior proprietário da zona, — o qual concordou em demolir seu prédio para o arranjo do traçado da praça, necessário para que seguisse o mesmo alinhamento da Travessa do Caderno (atual Rua Saldanha Marinho).

Imagem do Parque Nilo Peçanha, do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Alguns anos depois surge a Igreja de São Benedito, bem próxima da Praça Municipal. Em seu início, a Irmandade não possuía local próprio, tendo o exemplo de outras irmandades que requereram apoio da Câmara para a construção de seus templos, a Irmandade de São Benedito também fez sua solicitação para a construção de sua igreja dedicada ao Glorioso São Benedito. Assim, com empenho, procuraram encontrar um terreno adequado que permitisse a construção de seu templo, até que em 1865 encontraram um terreno que estava de acordo com seus anseios e de propriedade da Câmara Municipal, numa área vinculada com o sofrimento de negros. O que atribuiu sentido para construção desta igreja, em devoção a um santo negro, e regida por uma irmandade composta por negros, brancos e pobres, pois naquela área foi local de “patíbulo” (forca) para o enforcamento de escravos julgados culpados.

Imagem da Escola ao Ar Livre no Parque Nilo Peçanha do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Conforme a Ata de Sessão da Câmara Municipal de 15 de março de 1865, foi lido o requerimento da comissão encarregada pela Irmandade de São Benedito, propondo a compra do dito terreno. O terreno estava situado na frente da Praça Municipal, compreendido entre as Ruas do Príncipe (atual Rua Marechal Deodoro) e Ouvidor (atual Rua Marechal Floriano), fazendo face à Travessa do Curral (atual Rua Conselheiro Otaviano). Tendo a solicitação atendida os irmãos, partiram para a construção da igreja, mas suas atividades só iniciaram em 1875. No transcorrer do tempo suas atividades marcaram a memória coletiva da população que passaram a correlacionar a Igreja São Benedito e a Praça Municipal, como um único espaço público. 

Imagens do interior da Escola ao Ar Livre – Presidente Weceslau Braz no Parque Nilo Peçanha do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Cabe destacar outra mudança importante relacionada com as obras de melhoramento da cidade, através da arrecadação da taxa sobre o açúcar. A cidade precisava de uma imagem condizente com sua prosperidade econômica e a modernidade. Dentre as inúmeras obras foi realizada a reforma na Praça Municipal, transformada no Parque Nilo Peçanha, no qual passou por uma grande intervenção, com ajardinamento, arborização e instalação da Escola ao Ar Livre, (atual sede Academia Campista de Letras, desde 10 de abril de 1948). Tais obras foram inauguradas em 5 de novembro de 1916, com a presença do Presidente do Brasil, Weceslau Braz e do Presidente do Estado do Rio de Janeiro, Nilo Peçanha.

O primeiro nome deste local era Praça Municipal, depois recebeu a denominação de Parque Nilo Peçanha, porém, a partir de 1875, com a inauguração da Igreja de São Benedito, o povo começou a dar-lhe o nome do Santo Siciliano. Pela forte manifestação de sentimento religioso da população, essa designação passou a constar até nas Atas da Câmara, e no coração do povo campista persistindo até hoje.

Imagens do interior da Escola ao Ar Livre – Presidente Weceslau Braz no Parque Nilo Peçanha, do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.
Imagens do interior da Escola ao Ar Livre – Presidente Weceslau Braz no Parque Nilo Peçanha do Álbum das Obras de Melhoramento da Cidade – 1916. Acervo do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Graziela Escocard – Historiadora e Coordenadora do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.

Instagram: @grazi.escocard

E-mail: grazi.escocard@gmail.com

Cel.: 22 999391853