Implantação de fazenda de energia solar é avaliada em São João da Barra

Assunto foi tema de reunião entre a prefeita Carla Machado e gestores do Porto do Açu

Região
Por Redação
9 de outubro de 2021 - 10h58
Prefeita Carla Machado e gestores do Porto do Açu (Divulgação)

A prefeita de São João da Barra, Carla Machado, e representantes da Porto do Açu Operações se reuniram para tratar dos estudos de viabilidade sobre a implantação da maior fazenda de produção solar do Estado do Rio de Janeiro, projeto da companhia de energia norueguesa Equinor. A previsão é de que a comercialização da energia produzida nesta planta entre no sistema nacional com foco no mercado livre. 

Participaram da reunião o diretor de Administração Portuária da Porto do Açu, Vinícius Patel, o gerente de Relacionamento com a Comunidade, Wanderson Sousa, e o gerente de Relações Institucionais, Caio Cunha, além dos secretários municipais de Meio Ambiente e Serviços Públicos, Marcela Toledo, Obras e Serviços, Jorge Hissa, e o secretário e subsecretário de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, Alexandre Magno Stefan e Marcelino Souza. Também participaram, de forma remota, representantes da Equinor: os gerentes de Relações Institucionais, Thiago Martins, de Novos Negócios, Roberto de Araújo, e a coordenadora de Sustentabilidade, Maira Ventura..

O contrato para checar a viabilidade da construção foi assinado em janeiro deste ano por meio de um Memorando de Entendimentos, com o objetivo de avaliar em conjunto o desenvolvimento de uma planta de geração solar fotovoltaica. O estudo será concluído em dezembro, quando a capacidade da usina solar, investimento e prazo de execução do projeto serão detalhados.

A iniciativa faz parte da estratégia de industrialização sustentável do Porto do Açu, que inclui desenvolver parcerias e novos negócios a partir da transição para uma economia de baixo carbono.

Carla Machado pontuou a importância do empreendimento para o país. “Consideramos muito importante o investimento em fontes renováveis de energia, que favorecem não só o meio ambiente como minimizam os impactos da crise energética, ajudando a região e o país”.

A Equinor opera em 20 países e é hoje uma das maiores operadoras offshore do mundo, com atuação crescente em energias renováveis.

Fonte: Ascom