Desaparecidos: 1º dia de campanha para coleta de DNA tem adesão acima do esperado

Na região, campanha também acontece em Macaé e Itaperuna; objetivo é criar banco genético para ajudar a solucionar casos

Geral
Por Priscilla Alves
14 de junho de 2021 - 13h10
Mônica participa de Campanha (Foto: Silvana Rust)

Começou nesta segunda-feira (14) a Campanha Nacional de Coleta de DNA de Familiares de Pessoas Desaparecidas, que acontece também em Campos entre os dias 14 e 18 de junho. A ação foi lançada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e visa possibilitar a identificação de pessoas desaparecidas por meio de exames e bancos de perfis genéticos. Neste primeiro dia, a procura foi maior do que o esperado.

“Estamos com movimento maior que nossa expectativa. E isso é muito importante. Convido os familiares dos desaparecidos da região a comparecerem nos postos de polícia técnica de Campos, Itaperuna ou Macaé para que possam doar esse material genético a um banco de perfis. Com isso, a gente pode solucionar os casos de desaparecimento dos últimos anos. É uma possibilidade dar uma resposta à sociedade e a essas famílias que tanto sofrem”, explicou Carlos Frederico Ozório, coordenador do Posto Regional da Polícia Técnica Científica (PRPTC) do Norte Fluminense.

LEIA TAMBÉM

Campos na campanha para coleta de DNA para casos de desaparecidos

A assistente social e advogada Mônica Henriques Gomes busca uma resposta para o desaparecimento do irmão há 15 anos. Ele trabalhava na Região dos Lagos quando falou pela última vez com a família.

“Meu irmão avisou que chegaria para o jantar e nunca chegou. É uma situação muito triste. Quando alguém morre, e há o enterro, é um processo que fecha um ciclo. Mas no caso de desaparecimento, o ciclo não fecha e a gente fica sempre à espera de numa notícia, seja ela qual for. Os anos passam e a gente não tem solução. A gente quer qualquer resposta para finalizar um ciclo”, comentou.

Alexandra busca informações sobre corpo do marido (Foto: Silvana Rust)

A autônoma Alexandra Bastos também tem esperanças de encontrar solução após a campanha.

“Segundo a investigação, meu marido foi assaltado. Roubaram o carro e tudo o que estava com ele. Quatro suspeitos estão presos, dois confessaram o que aconteceu, mas até agora a gente não sabe onde está o corpo. É um sofrimento que não acaba. Espero que com essa campanha da coleta, a gente um dia possa encontrá-lo e fazer um enterro digno. Quem perdeu alguém da família, sabe a dor que eu estou passando. É horrível”, desabafou.

(Foto: Silvana Rust)

Como participar
A coleta do material genético não dói e é feita com a retirada de uma pequena quantidade de saliva da bochecha. A campanha acontece entre os dias 14 e 18 de junho, em vários postos no Estado do RJ. Na região é em Campos, Macaé e Itaperuna.

Quem ainda não tiver oficializado o desaparecimento do familiar será orientado a registrar a ocorrência na delegacia. Em Campos, a coleta acontece no Posto Regional de Polícia Técnica Científica de Campos (PRPTC), que fica na Avenida XV de Novembro, nº 799, no Parque Leopoldina. O telefone é o (22) 2732-1759.

Washington Dias Faria
Francione Henriques Gomes, desapareceu em 13/12/2005, aos 30 anos.