Chuva afeta UPA, em Guarus, e funcionários denunciam falta de estrutura

Goteiras e buraco no chão atrapalham estão entre os problemas apontados na unidade

Geral
Por Redação
10 de junho de 2021 - 12h57
(Foto: Reprodução)

Funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Campos, que fica localizada no Parque Santa Helena, no subdistrito de Guarus, denunciaram ao Jornal Terceira Via, nesta quinta-feira (10), a falta de estrutura da unidade.

Segundo eles, basta que chova para que os transtornos se iniciem.

“Existem muitas goteiras por toda a UPA. Com isso, boa parte dos corredores ficam alagados, causando um enorme transtorno para nós. Estamos visivelmente abandonados pelo poder público municipal”, afirma um dos funcionários, que preferiu não se identificar.

Mas, os problemas não ser resumem às goteiras, garante outro denunciante, que também terá o nome preservado.

“Em um dos corredores, existe uma cratera no chão. Temos que redobrar os cuidados e pedir que os pacientes tenham atenção para acabarem não se machucando”, conta.

O Jornal Terceira Via entrou em contato com a secretaria de Estado de Saúde (SES), responsável pela administração do espaço. Por meio de nota, foi informado:

“A direção da Unidade de Pronto Atendimento de Campos do Goytacazes informa que, apesar das fortes chuvas que atingiram a região, a unidade permanece em funcionamento. Na última quarta-feira (09.06), foram realizados 219 atendimentos e nesta quinta-feira (10.06), até o meio-dia, foram atendidos 64 pacientes. Quanto aos problemas estruturais, a unidade esclarece que está providenciando o conserto do telhado e do piso e elaborando um laudo técnico para substituição de todo o telhado e do piso da unidade”, conclui.

O Sindicato dos Médicos de Campos também se manifestou por meio de nota.

“O Simec vem recebendo diversas informações acerca das situações insustentáveis enfrentadas pelos profissionais que atuam na UPA, bem como em outras unidades hospitalares do município. Nossa entidade está adotando as medidas necessárias para fins de garantir que os profissionais da saúde exerçam suas atividades em condições apropriadas e dignas. O Simec lembra às autoridades públicas, estadual e municipal, que a qualidade do atendimento médico tem impacto direto com a Saúde da população. Assim sendo, o Sindicato dos Médicos de Campos aguardará as manifestações da SES e da SMS a respeito da situação aqui exposta, para que sejam, de modo urgente, somados esforços em prol dos profissionais e pacientes das unidades hospitalares apresentadas”, informou.