Os erros do Poder Público Municipal

.

Blog do Cláudio Andrade
Por Cláudio Andrade
6 de abril de 2021 - 11h01

O Poder Público municipal não cancelou o Carnaval e as forças de segurança apenas fechavam quiosques na praia do Farol e diziam que não podiam fazer nada com a multidão bebendo e aglomerando na orla e nas areias.

Barreiras sanitárias não são efetivadas, mesmo com um município com mais de quatro mil quilômetros.

Na Avenida Pelinca, em jogos de futebol, o que se viu foi aterrador e só houve uma tímida ação de repressão após muita pressão social.

As vans (se não fosse um live meu, nem estariam no decreto) não são fiscalizadas e a quantidade de pessoas amontoadas nelas é enorme.

O mercado municipal é um covideiro inacreditável e, até hoje, não tive ciência de qualquer fiscalização. Ali, a galera entrega para Deus, a vida, sem remorso.

Em Guarus, mais de 120 mil habitantes (fazendo conta por baixo), não se vê uma ação de fiscalização. A noite lá e alavanca no canto sem qualquer oposição das forças de segurança do município.

Na Baixada Campista (milhares de moradores) e até agora também não vi uma ação da PMCG. Uma região cheia de atividades e com uma circulação populacional enorme com bancos, inclusive, e tudo correndo solto.

Fechar o Centro ajuda? Na minha opinião, aqueles que não poderão ir ao Centro vão aglomerar nos próprios bairros, que não estarão com uma rua sequer fechada.

Com exceção dos grandes supermercados e drogarias (com lucros exorbitantes), os comerciantes estão levando no lombo, pois a fama de propagador de vírus colou injustamente na categoria e faz um dos maiores empregadores do município, enfraquecer e sufocar.

Até agora nenhuma ação de contenção oficial aos menos favorecidos, famintos e desempregados, foi realizada. As pessoas estão vivendo de atitudes nobres e pontuais de pessoas físicas.

As igrejas estão liberadas, pois, economicamente, não sobrevivem fechadas, pois se o lance é orar, isso pode ser feito no chuveiro, na cama, andando e comendo, não havendo necessidade, neste momento, de aglomerar em templos. Limitar número de fiéis não resolve, pois o prefeito proibiu fiscalização para não confrontar com líderes locais.

Que Deus nos proteja!