O gigantesco parque termelétrico do Açu

Primeira usina vai funcionar até junho e a segunda começa a ser construída este ano gerando cinco mil empregos

Economia
Por Aloysio Balbi
10 de janeiro de 2021 - 10h26

A primeira Termelétrica do Porto do Açu entra em operação até junho deste ano e no segundo semestre começarão as obras da segunda usina, o que colocará a região de São João da Barra e Campos na condição de detentora do maior parque Termelétrico da América Latina. Juntas irão gerar energia suficiente para atender cerca de 14 milhões de residências e serão responsáveis por 17% da geração térmica a gás natural do Brasil.

O investimento é superior a R$ 10 bilhões e a segunda usina irá gerar cinco mil empregos. A expectativa é de que as duas usinas mudem o perfil da economia da região como definiu o presidente da Câmara de Diretores Lojistas de Campos (CDL), José Francisco Rodrigues.

“Partindo da premissa de que hoje a indústria procura energia segura, limpa e barata, a previsão é de que tenhamos aqui um grande parque industrial. A energia de gás tende a ser mais barata. Já percebo sintomas deste interesse de indústrias na região, pois volto a afirmar que energia é o que mais atrai hoje esse setor. Essas duas usinas poderão mudar o perfil da economia não só de Campos e São João da Barra, mas de toda a região” disse José Francisco.

A GNA, Gás Natural Açu, formada pela bp, Siemens AG e Prumo Logística, está realizando a fase de comissionamento da sua primeira usina térmica a gás natural (UTE GNA I), que tem capacidade instalada de 1.338 MW, equivalente ao suprimento de mais de 6 milhões de residências. Recentemente, a GNA recebeu a primeira carga de Gás Natural Liquefeito (GNL) em seu Terminal de Regaseificação que será usada no comissionamento.

Entrando em operação

A usina entrará em operação comercial no primeiro semestre de 2021 e vai contribuir para a segurança energética do país. A UTE GNA I faz parte do maior Parque Termelétrico da América Latina, que está em construção no Porto do Açu, em São João da Barra. O projeto compreende a implantação de duas usinas térmicas movidas a gás natural (GNA I e GNA II) que, em conjunto, alcançarão 3 GW de capacidade instalada. Juntas, as duas térmicas irão gerar energia suficiente para atender cerca de 14 milhões de residências e serão responsáveis por 17% da geração térmica a gás natural do Brasil. Além das térmicas, o projeto compreende um Terminal de Regaseificação de GNL. O investimento total no projeto é de cerca de R$ 10 bilhões.

Ainda em 2021 está previsto para começar as obras da UTE GNA II. A previsão é que cerca de 5 mil empregos sejam gerados na região. Quase R$ 5 bilhões já foram liberados para investimentos na Termelétrica II.

Em uma segunda fase, a GNA planeja expandir o seu parque termelétrico, além de criar as condições de contorno necessárias para atração e monetização do gás doméstico offshore, sobretudo do pré-sal, para o Porto do Açu.

Licença ambiental

A GNA já possui licença para dobrar a produção de energia a gás, podendo chegar a 6,4 GW de capacidade instalada, o que permitirá o desenvolvimento de projetos termelétricos adicionais no futuro.

Todos esses projetos fazem parte do Açu Gás Hub, um conjunto de soluções de infraestrutura privada, que permitirá o suprimento de gás natural e eletricidade para o mercado brasileiro.