Conforme Terceira Via antecipou, Prefeitura decreta estado de calamidade fiscal e financeira em Campos

Câmara de Vereadores convoca sessão extraordinária para discutir o decreto do prefeito Wladimir Garotinho

Política
Por Redação
7 de janeiro de 2021 - 14h11

(Foto: Carlos Grevi)

Conforme o jornal Terceira Via adiantou, o prefeito de Campos, Wladimir Garotinho (PSD), decretou estado de calamidade pública no âmbito da administração fiscal e financeira do Município. O decreto consta de suplemento ao Diário Oficial (D.O.) desta quinta-feira (7). A publicação traz, ainda, convocação de vereadores para sessão extraordinária da Câmara para discutir, na sexta, o Projeto de Lei n° 0001/2021, que reconhece o estado de calamidade pública.

Segundo o prefeito Wladimir Garotinho (PSD), “a calamidade é fiscal e financeira. Não há outro caminho para salvar as contas da prefeitura diante da irresponsabilidade fiscal e de caráter do ex-prefeito Rafael Diniz”.

A validade do decreto é de 180 dias.

O economista Ranulfo Vidigal explica que a decretação de calamidade financeira é uma tentativa de garantir que o Município continue atendendo ao que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal e facilitar a obtenção de recursos junto ao Estado e à União.

“Considerando que só de salários, está ficando para o governo atual alguma coisa em torno dos R$ 113 milhões, mais os 13 salários normais do ano, isso perfaz alguma coisa como R$ 1,25 bi ao longo do ano. O que tira completamente a capacidade da Prefeitura gastar no máximo 54% de sua arrecadação líquida com salários, que é uma exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal”, diz.

Ranulfo lembra, ainda que, a folha de pagamento do funcionalismo não é o único compromisso financeiro da Prefeitura.

“Se eu tenho R$ 1,7 bilhão de previsão de arrecadação, R$ 1,25 bilhão de salário para pagar, e a rolagem da dívida, que é mais R$ 100 milhões, significa dizer que, haverá no máximo R$ 350 milhões para custei do Município ao longo deste ano, o que inclui para coleta de lixo, compra de remédios e alimentos, pagamento de aluguéis e contas de água e luz, aluguel de ambulâncias etc. Isso exige uma profunda ginástica do poder público, no sentido de se manter em pé”

O economista explica que um eventual decreto de estado de calamidade financeira seria acompanhado de uma série de medidas para garantir o saneamento fiscal do Município. “Vai proibir qualquer aumento nominal de salários, vai exigir reestruturação nas áreas de pessoal, de cargos comissionados — o que já foi feito em parte — e cortes bastante expressivo no custeio da máquina”, encerra.

Veja abaixo o decreto:

Veja, também, a convocação dos vereadores:

Cofres vazios

Nesta quarta-feira, a equipe da secretaria municipal de Fazenda informou ter encontrado apenas R$ 2,9 milhões nos cofres da Prefeitura. “Somente a folha de pagamento dos servidores referente ao mês de dezembro está na ordem de R$ 106 milhões”, afirma a nota.

No mesmo dia, Wladimir Garotinho esteve na sede do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) tentar solução para quitar os salários e o saldo do 13º dos servidores ativos, aposentados e pensionistas.

Sessão presencial

A sessão extraordinária convocada pela Câmara acontecerá presencialmente, no Plenário Álvaro Lopes Vidal, a partir das 14h. O acesso será permitido apenas aos vereadores. A população poderá acompanhar os trabalhos por meio da transmissão ao vivo da TV Câmara, no canal aberto digital 19.3 e no canal 152 da VerTV.

Além da votação do decreto de estado de calamidade pública, a sessão terá, ainda, a indicação de membros das Comissões Permanentes Técnicas e de Trabalho, e do Conselho de Ética.