Volta de Marcão à Câmara é marcada por bate-boca

Vereador José Carlos se queixou da falta de apoio do colega e o chamou de "geladeira"

Política
Por Redação
15 de outubro de 2020 - 11h59

(Foto: Reprodução)

O retorno de Marcão Gomes (PL) à Câmara Municipal de Campos, nesta quinta-feira (15), após 10 meses como suplente de deputado federal em Brasília, foi marcado por bate-boca. O vereador José Carlos (CDN) se queixou da falta de apoio do colega nas eleições municipais, em que busca reeleição à Casa de Leis, e o chamou de “geladeira”.

“Estou insatisfeito com o senhor um cadinho porque dei um duro do cacete para ajudar a eleger o senhor para federal e o senhor não me deu ajuda de nada até hoje. Não me deu uma pessoa para votar em mim, não indicou nada, o senhor está puxando tudo para três pré-candidatos que o senhor acha que são melhores do que nós, do que eu, do que Fred, do que Genásio, do que Abu e muitos outros que ajudaram a eleger o senhor suplente de deputado federal. O senhor é uma geladeira. Eu não consigo ser político gelado do jeito que o senhor é”, disse José Carlos.

O vereador afirmou, ainda, que o retorno de Marcão desfalcou a bancada governista, com a saída do suplente Fabinho Almeida (PSB). “Aí, vem no final da história — se eu estiver errado, lá na frente o senhor me perdoa — tirar Fabinho Almeida, que está defendendo o governo com veemência. E agora, no bico do funil, o senhor tirar a cadeira de Fabinho. Isso, para mim, foi uma das maiores covardias”.

Marcão usou sua fala para negar explicações a José Carlos.

“Falando rapidamente agora a respeito do meu retorno à Câmara Municipal, a quem eu devo apenas e tão só apenas aos meus familiares, aos meus amigos, às pessoas que acreditaram em mim, que me deram 5.552 votos na última eleição, me tornando o vereador mais votado desta cidade. A essas pessoas eu devo obrigação, a mais ninguém. Não devo satisfação a nenhum parlamentar dessa Casa quanto ao retorno à vaga que me pertence, que me foi dada pela votação magnífica na eleição de 2016, que foi conferida à minha pessoa pelos eleitores que acreditaram nas nossas propostas. Nós iremos continuar trabalhando, seja aqui, seja no parlamento federal, devendo obrigação, satisfação e prestação de contas tão somente a estas pessoas”, encerrou o vereador.