Congresso Fluminense de Iniciação Científica e Tecnológica começa em Campos

Evento organizado pela Uenf, UFF e IFF acontece até sexta-feira

Educação
Por Redação
13 de outubro de 2020 - 17h39

Com a participação dos reitores das três instituições organizadoras do evento (UENF, IFF E UFF), foi realizada nesta terça-feira (13) a cerimônia de abertura do XII Congresso Fluminense de Iniciação Científica e Tecnológica (CONFICT) e V Congresso Fluminense de Pós-Graduação (CONPG). O evento, que está sendo realizado virtualmente pelo Facebook da UENF e Google Meet, se estende até sexta-feira (16)  com o tema “Ciência para o desenvolvimento sustentável”.

O XII CONFICT/ V CONPG apresenta mais de 1.300 trabalhos de pesquisa de alunos de graduação e pós-graduação da UENF, IFF e UFF. Em seu discurso, o reitor da UENF, Raul Palacio, disse que o evento é, acima de tudo, uma prestação de contas à sociedade. “As universidades públicas são gratuitas mas não são de graça. É o dinheiro dos impostos que a população paga que financia as universidade. Este é um exemplo de como nós utilizamos os nossos recursos de forma nobre, em prol da sociedade”, disse.

Ele enfatizou a importância da parceria entre as três instituições públicas de ensino superior de Campos dos Goytacazes, que já dura 12 anos. “Vivemos em um momento polarizado, onde muitos procuram inimigos o tempo todo. Nós, das universidades, fazemos justamente o contrário: procuramos parceiros. Principalmente quando ocorre a diminuição dos recursos para as instituições e, consequentemente, para as pesquisas”, afirmou.

Raul ressaltou a importância do tema do Congresso: “Está relacionado ao desenvolvimento da sociedade, da coletividade, do país como um todo. Neste Congresso, independentemente da área, todos os trabalhos apresentados têm uma grande importância para o desenvolvimento do ser humano”, afirmou. “Alguns que estão participando se tornarão cientistas, mas o mais importante é que todos sairão daqui entendendo a importância da ciência para a vida”, acrescentou o reitor.

Sede da Uenf, em Campos (Foto: Reprodução)

O reitor da UENF salientou o papel das universidades públicas no contexto da pandemia do coronavírus. “As universidades vêm saindo na frente, seja com credenciamento para testes, seja na produção de insumos e de equipamentos hospitalares. É em épocas difíceis que a universidade mostra o que tem para a sociedade”, disse.

O reitor da UFF, Antônio Cláudio Lucas da Nóbrega, disse que o Congresso não só funciona como prestação de contas da produção de conhecimento das universidades como também mostra que o conhecimento científico é parte integral da formação do cidadão. “O conhecimento científico é fundamental para a autonomia dos indivíduos, para que eles possam tomar decisões na vida em qualquer aspecto”, afirmou.

O reitor do IFFluminense, Jéfferson Manhães de Azevedo, ressaltou a importância do eventos como este no momento em que a ciência vem sendo tão desvalorizada pelos governantes. “Quando vemos o presidente americano jogar a máscara para a plateia, sem ter certeza de que não está mais com o coronavírus, ou o presidente brasileiro defender o uso de um remédio sem comprovação científica, isso certamente é ridicularizar a ciência”, disse.

Conferência de Abertura – A conferência de abertura  contou com o professor Paulo Artaxo (USP),  com o tema “As emergências climáticas, de saúde e de biodiversidade: como sairemos delas?”. Paulo Artaxo trabalha com física aplicada a problemas ambientais, atuando principalmente nas questões de mudanças climáticas globais, meio ambiente na Amazônia, física de aerossóis atmosféricos, poluição do ar urbana e outros temas.

Fonte: Ascom/Uenf