Definição sobre coligação de PDT de Caio e PSL de Fabiano sai até sábado

Presidente do PSL de Campos, Nildo Cardoso, está no Rio de Janeiro, onde participa de reuniões com diretório estadual

Eleições 2020
Por Redação
22 de setembro de 2020 - 19h55

Nildo Cardoso preside o PSL em Campos (Foto: Silvana Rust/Arquivo)

Ainda há incertezas sobre a coligação entre o PDT e o PSL para a disputa da Prefeitura de Campos. A chapa que foi anunciada com Caio Vianna para prefeito e Coronel Fabiano para vice, estaria ameaçada por divergências internas quanto às propostas em futuro programa de governo da candidatura. A informação foi divulgada na manhã desta terça-feira (22) pelo Terceira Via. Esperava-se uma definição até o fim da tarde para saber se a coligação permaneceria ou se seria desfeita. Porém, o presidente do diretório do PSL de Campos, Nildo Cardoso, afirmou que uma decisão sairá até sábado (26).

Por telefone, Nildo Cardoso explicou que o deputado federal Felício Laterça, é responsável por coordenar 15 candidaturas a prefeituras pelo Partido Social Liberal, no Estado do Rio de Janeiro. Estão previstas para acontecer nesta quarta-feira (23), reuniões com os dirigentes dos diretórios municipais da sigla com o parlamentar e coordenador de campanhas. O Coronel Fabiano que, inicialmente concorreria a prefeito de Campos, se tornou candidato a vice na chapa com o pedetista Caio Viana após aliança divulgada durante convenções dos partidos. Fabiano esteve no Rio de Janeiro e retornou a Campos. Ele foi procurado pela reportagem, mas não atendeu as ligações.

“A decisão se o PSL seguirá na chapa com o PDT ou se irá lançar candidatura própria sairá até sábado (26). Não há como garantir se até esta quarta-feira (23) haverá definição dos diretórios estadual e municipal. O PDT não participa dessas reuniões aqui no Rio, apenas o PSL. Uma coisa é certa, no domingo (27), a campanha eleitoral estará nas ruas oficialmente, seja qual for a decisão”, disse Nildo Cardoso.

Coronel Fabiano (PSL) e Caio Vianna (PDT)

A reportagem procurou pelo candidato do PDT, Caio Vianna, para que comentasse sobre o desentendimento ou divergências sobre a composição com o PSL. Entretanto, ele não retornou às ligações.