ENTRE PALMAS E COROAS DE LOUROS | “quem anda no trilho é trem de ferro, brasileiro é como água que corre entre as pedras…”

por Cláudia Cunha

BLOG
Por Claudia Cunha
13 de setembro de 2020 - 0h01

Portrait of Augustus Caesar

No Antigo Mundo, a Vitória era recompensada com duas plantas simbólicas: a palma e o louro .
A Palma em geral era destinada aos mártires que fizeram jus a mais árdua das vitórias; aquela obtida sobre si mesmo. Quanto aos imperadores triunfantes a exemplo de Júlio Cesar, era a Coroa de Louros que cingia ao redor da cabeça, afamada por repelir raios , ” Sagrado ramo que se quer reduzir a pó” , hipótese que Montesquieu maliciosamente pôs abaixo: ” O general simplesmente queira esconder a sua calvície.”
Na mais série crise existencial da saúde do Estado do Rio, a acusação hemorrágica pela Procuradoria, de fraudes em contratações de Bens e Serviços do Governo no combate à pandemia do novo Coronavirus e o derrame do dinheiro público na veia dilatada em subornos. Operações de precisão quase cirúrgica, entre
Marcadores do Caos, placebo, favoritos e o governador afastado pelo STJ, respirando o ar de impeachment.
Como prognóstico o “Rouba, mas faz” estafado refrão de Adhemar de Barros, inesquecível criador do populismo convertido, comparafraseado no bisturi que dilacera, do “roubou, mas, também não fez”, como diagnostico.
Sem a devida profilaxia, esse afastamento em forma de estrangulamento fora anunciado há meses com pacientes entregues à UTI da própria dor. A eutanásia coletiva como efeito colateral diante da porta de hospitais sucateados e outros de campanha não inaugurados.
De antítese a antídoto, um habilidoso nos bastidores da vaidade política, Cláudio Castro ex vereador, amigo de Eduardo Paes e de Rodrigo Maia, partiu da antessala de Witzel para assumir interinamente a cadeira tóxica do Palácio da Guanabara e como se estivesse ajoelhado diante do Cristo Redentor, aceitou a carona no avião de portas abertas do Messias com o alinhamento politico e com a aproximação da União, o diálogo. Assistiu a posse do novo presidente do STF, Ministro Luiz Fux, judeu que por sua vez convidou Fagner para cantar o Hino Nacional. Amigos de corações alados, desde tempos da adolescência e citando livremente seu homônimo, o Gonzaga, outro cantor nordestino,disse: ” minha toada é de paz.” E ao discursar alcançando a glória apoteótica, coroado de louros na Suprema Corte, a Carta Magna da Igualdade e defendendo a lava-jato, o nosso desejo supremo de que não ocorram deslizes e as palavras não sejam apenas espumas ao vento. Asa Branca migratória de Sheol.
No meio de um furacão, Crivella, preso em um QG de propina, labirinto do Hades, sofrendo as escoriações de busca e apreensão em sua casa e com cortes cada vez mais profundos que vão se alastrando como ferida aberta infeccionada em todos os meios circulatórios na lápide da necrose administrativa.E de onde se esperava um novo olhar para a população mais necessitada, Pedro Fernandes, secretário estadual de educação, e Cristiane Brasil, ex deputada federal, filha de Roberto Jefferson e pré-candidata ao cargo de Prefeita foram alvos de exame minuciosos de vistas da Polícia Civil, e a conclusão cristalina de que uma Catarata de fraudes em desvios de contratos, encobria programas sociais e assistenciais na Fundação Leão XIII, que em suas origens na Prefeitura do Rio em 2019, provocou a cegueira dos miseráveis e, assim, eles tiveram seus pedidos de prisões decretados.
Vírus corrupto que deixa milhares de pessoas agonizando, assassina como um holocausto e sepulta de vez as pretensões de políticos em um futuro acerto de contas com as urnas eleitorais. ” A triste partida.”

” Quem anda no trilho é trem de ferro, brasileiro é como água que corre entre as pedras, pois liberdade caça jeitos e, o que a vida quer de nós é coragem.”

” Democracia não é silêncio, não é concordância forjada, seguida de aplausos imerecidos, mas, voz ativa e debate construtivo com honestidade de propósitos.” Palmas…

“Olha pro céu.”
“Ave Maria sertaneja.”

” Baruch Hashem “(Deus seja louvado).