Covid: família denuncia negligência em navio petrolífero após testes positivos

Segundo denúncia, petroleiros infectados teriam desembarcado, mas o restante dos profissionais seguiu trabalhando

Região
Por Redação
31 de agosto de 2020 - 17h53

FPSO Capixaba (Foto: Divulgação/Marinha)

Familiares da tripulação do FPSO Capixaba — navio-plataforma que produz petróleo e gás na Bacia do Espírito Santo — estão preocupados com a saúde dos embarcados, depois de várias pessoas testarem positivo para o novo coronavírus. A denúncia das famílias é de negligência, já que os petroleiros infectados desembarcaram, mas os demais seguiram trabalhando, sem que o FPSO tivesse passado por desinfecção. Nesta segunda, de acordo com a denúncia dos parentes, cerca de 20 pessoas que testaram positivo desembarcaram. Muitos petroleiros da região de Campos atuam na empresa responsável pelo FPSO.

Ainda de acordo com as famílias, primeiro surgiu um caso de Covid-19, mas o petroleiro infectado desembarcou. A rotina do navio-plataforma seguiu e, logo depois, cerca de mais 10 petroleiros testaram positivo para o novo coronavírus.

“Ficamos preocupados porque o que está acontecendo é negligência. As pessoas testam positivo, desembarcam, mas os demais permanecem trabalhando naquele ambiente contaminado. Tanto que vários já contraíram a Covid-19”, disse um parente que preferiu não se identificar.

O FPSO Capixaba pertence ao grupo empresarial holandês SBM Offshore e é fretado pela Petrobras. A equipe de reportagem fez contato com as duas empresas.

A SBM Offshore confirmou ao Jornal Terceira Via que tripulantes a bordo de navios no Brasil testaram positivo para COVID-19, mas não confirmou a embarcação em que eles atuam “para garantir a privacidade dos indivíduos”.

Em nota, empresa afirmou que:

  • A saúde e a segurança dos clientes, funcionários e fornecedores da SBM Offshore são a prioridade da empresa.
  • A SBM Offshore confirma que tripulantes a bordo de seus FPSOs offshore no Brasil testaram positivo para COVID-19. Por enquanto, alguns não apresentam sintomas e outros apenas sintomas leves e não necessitaram de internação hospitalar.
  • Algumas pessoas já desembarcaram e estão sendo direcionados para quarentena em um hotel, acompanhados de perto pela equipe médica da SBM Offshore.
  • A bordo, medidas preventivas permanecem em vigor – como distanciamento social e reforço das regras para aumentar a higiene dentro do navio.
  • A SBM Offshore mantém contato próximo com as autoridades brasileiras e com o cliente Petrobras para
  • gerenciar a situação.
  • A SBM Offshore implantou um programa de resposta global que monitora de perto as operações da companhia no mundo [isso inclui o monitoramento das tripulações em sua frota e o gerenciamento de situações especiais; protocolos foram implementados com relação à prevenção e resposta a incidentes e planos de contingência foram criados.
  • Em toda a nossa frota, as equipes passam por uma quarentena monitorada e são realizados 2 testes PCR com intervalo de 72h antes do embarque ser liberado. Desta forma, quaisquer casos positivos identificados deixam de ir para o mar e recebem cuidados médicos em terra.