Doceiras de Campos realizam festival virtual na festa do padroeiro

Por causa da pandemia, festejo de São Salvador não acontecerá na praça, assim como o tradicional Festival do Doce que foi para o Instagram

Economia
Por Ocinei Trindade
3 de agosto de 2020 - 18h44

Tradicional Festival do Doce de Campos este ano será virtualmente (Foto: Ilustração)

Há quase cinco décadas o Festival do Doce é tradição dentro da tradição religiosa de Campos dos Goytacazes. Durante a festa do padroeiro, São Salvador, no dia 6, o público se acostumou a frequentar as barracas para comprar e se deliciar com as guloseimas preparadas por doceiras renomadas da cidade. Este ano, por causa da pandemia do novo coronavírus, os festejos não acontecerão na praça central como em edições anteriores. Para a data não passar em branco, um grupo de doceiras montou uma página no Instagram e decidiu criar um evento virtual.

Dayse e Nathália Souza Cruz são mãe e filha

A doceira Nathalia Souza Cruz teve a ideia de fazer um festival on line por meio das redes sociais. “Levei a proposta para o grupo de doceiras que participa todos os anos na área da Coesa, entidade que ajuda nas obras sociais da cidade. Elas aceitaram. Então, criei uma página no Instagram chamada “Festival do Doce”, comenta.

Com 30 anos de experiência em doçaria, Dayse Souza Cruz está animada para o primeiro festival virtual da Festa de São Salvador. “Em poucos dias, a gente fez muitos contatos e movimentou os parceiros. Fizemos um trabalho de formiguinha nas redes sociais. Estamos tendo retorno e muita procura por encomendas. Nós doceiras somos patrimônio vivo de Campos. Temos que manter essa tradição”, afirma.

O Festival do Doce on line empolga também a doceira Fátima Braga. Em 35 anos de profissão, ela lamenta não estar na Praça São Salvador pela primeira vez por causa da pandemia de Covid-19. “Decidimos não deixar a data sem o festival tradicional. O mais importante é que as pessoas se sintam dentro do festival, apesar de ser  com vendas on line”, explica.

Doceira Maria Ilza Coutinho

Doceira Fátima Braga

Em 2019, mais de cinco mil doces foram vendidos na Festa de São Salvador pelo grupo de doceiras que conta ainda com Maria Ilza e Daniele Rodrigues. O Festival do Doce foi marcado para acontecer nos dias 4, 5 e 6 de agosto. Porém, por causa da grande procura por encomendas, já está previsto estender até o dia 9 as vendas que são feitas por meio da rede social.

“Temos mais de 20 variedades de doces. Cada doceira tem seu próprio cardápio com preços variados. O cliente visualiza o que oferecemos no Instagram. Cada uma de nós tem um link específico para encomendas. Os preços vão de R$2 a R$15, em média”, diz Fátima.

Doceira Danielle Rodrigues

 

Por causa da pandemia, as vendas de doces despencaram, pois eventos como festas de aniversário e casamento foram transferidos ou cancelados. Muitas doceiras precisaram reduzir o número de funcionários, pois o movimento caiu até 99% no período, segundo elas.

“Desde os anos 1970, o Festival do Doce criado por dona Hermeny Coutinho, atuante nas obras sociais de Campos, é sucesso. Este ano, com o evento virtual estamos cheias de pedidos. O pessoal está empolgado no Whatsapp. Temos tortas, chocolates finos, trufas, doces portugueses. Temos a opção de entrega em nossos ateliês ou delivery. Nosso lema agora é “fique em casa, fique doce com o Festival do Doce”, conclui Nathália.