O frio bate à porta dos campistas até o fim de semana

Temperatura cai e o inverno finalmente dá as caras neste período

Meteorologia
Por Ocinei Trindade
31 de julho de 2020 - 18h07

Oscilação de frio e calor no inverno de Campos (Foto: Silvana Rust/Ilustração)

Após vários dias quentes e ensolarados,  a temperatura despencou, a chuva apareceu e o clima ficou realmente com cara de inverno nas últimas horas em Campos e região. Na última quinta-feira (30), os termômetros marcam no mínimo 17 graus. Até o próximo domingo (2), a sensação de frio vai se prolongar. De acordo com meteorologistas do site Climatempo, a temperatura deve variar entre 15 e 25 graus. Para quem não está acostumado com esse clima, é bom se prevenir e providenciar casaco e guarda-chuva.

O técnico em meteorologia e integrante do Instituto Histórico e Geográfico de Campos dos Goytacazes, Carlos Augusto Souto, afirma que o inverno na região Norte Fluminense é geralmente seco.  Esta é a característica principal do clima tropical nesta época do ano, quando há muitas oscilações de temperatura entre mínima e máxima. Os instantes mais frios do dia acontecem durante a madrugada.

Dias de usar o guarda-chuva na cidade (Foto: Carlos Grevi)

“Já tivemos sensação térmica de 14 graus nesta primeira temporada de inverno que começou no dia 20 junho. Normalmente, o mês de julho costuma registrar as temperaturas mais baixas. Quando começa agosto, os dias vão se tornando menos frios. Até 22 de setembro, oscilações devem ocorrer”, comenta Carlos Augusto Souto.

De acordo com o técnico em meteorologia e membro do IHGCG, esta frente fria  mais forte que está passando pela região não é muito comum.

Técnico em meteorologia e membro do IHGCG, Carlos Augusto Souto (Reprodução)

“O nível de chuva é o que mais chama à atenção no clima tropical. Na prática, temos basicamente duas estações e uma leve transição entre as elas. Percebo que os verões se tornaram instáveis nos últimos dez anos. Às vezes, ficamos por mais de 40 dias sem chuva. Campos vê na prática a mudança climática global e as consequências do desmatamento nas margens dos rios, e, principalmente, na Amazônia. O reflexo dos maus tratos lá é sentido aqui.”

Carlos Augusto Souto destaca ainda as alterações na paisagem por conta de mudanças bruscas no clima. “Temos a foz do Rio Paraíba do Sul em Atafona, São João da Barra, que foi modificada. O efeito dominó acontece quando o meio ambiente é afetado violentamente como ocorre na Amazônia. Precisamos atentar para isto”, explica.

Segundo o site Climatempo, nas próximas duas semanas de agosto as oscilações de temperatura continuarão. No mínimo 14 graus e no máximo 26 graus, em média.