Campos recebe batalhão especializado do Exército para desinfecção sanitária

Após rodoviárias, equipe faz, nesta sexta-feira, higienização do Hospital Ferreira Machado

Campos
Por ASCOM
31 de julho de 2020 - 7h59

(Foto: Divulgação/Prefeitura de Campos dos Goytacazes)

O Hospital Ferreira Machado (HFM), em Campos, vai passar por desinfecção sanitária nesta sexta-feira (31). O trabalho será feito por uma equipe do 1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (Btl DQBRN), ligado ao Comando Militar do Leste, que higienizou as rodoviárias Roberto Silveira e Shopping Estrada na noite de quinta. A medida é parte da atuação do Exército Brasileiro no combate à covid-19.

“A Prefeitura de Campos sempre busca parcerias como essa que, em especial neste momento de pandemia enfrentada pelo país, ofertam sensação de segurança, tranquilidade às pessoas”, destacou o Diretor da Companhia de Desenvolvimento do Município de Campos, Jorgiele de Oliveira.

O trabalho de desinfecção sanitária é coordenado pelo comandante do batalhão, tenente-coronel Domingues, que ressaltou que a equipe é especializada e o 1º Btl DQBRN é o único no Brasil a desenvolver esse tipo de ação. Cerca de 45 homens, com roupas e equipamentos especiais, aplicam o PX4, produto italiano, a base de cloro e detergentes, de baixa corrosividade, não tóxico às pessoas e ao meio ambiente, e que elimina vírus, bactérias e fungos.

“Somos o único batalhão no país com este tipo de trabalho. Estamos atuando desde 26 de março frente à pandemia da Covid, em especial na região Sudeste. Já atuamos em São Paulo, no município do Rio de Janeiro, no Espírito Santo. Estamos hoje em Campos, vamos para Macaé amanhã e na próxima fase do trabalho seguiremos para Minas Gerais. Realizamos este tipo de ação em aeroportos, hospitais, rodoviárias”, frisou o tenente-coronel Domingues.

O 1º Btl DQBRN atuou na década de 80 no acidente com Césio 137 em Goiânia; em 2015, em um acidente em Santos, litoral paulista, monitorando a atmosfera e identificando agentes químicos em decorrência da explosão e no mesmo ano, na descontaminação da aeronave e da equipe médica que acompanhou um suspeito de ebola.

Fonte: Prefeitura de Campos dos Goytacazes