Casos de câncer de cabeça e pescoço crescem e surge alerta

Em Campos, somente o Hospital Dr. Beda tem um especialista nesses tipos de tumores

Saúde
Por Letícia Nunes
23 de julho de 2020 - 19h11

O câncer de cabeça e pescoço é um tipo de tumor que acomete a cavidade oral (boca), a laringe, a faringe os seios da face, as glândulas salivares e a glândula tireóide. O câncer de cavidade oral é a quinta neoplasia mais comum no homem e a décima terceira nas mulheres. Segundo dados lançados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa para o próximo triênio (2020-2022) é que o número de casos novos será de 11.180 registros em homens e 4010 em mulheres, anualmente, só de câncer de boca. Neste mês é realizada a campanha nacional Julho Verde, uma oportunidade de trazer ao conhecimento da sociedade brasileira, a realidade da prevalência do câncer de cabeça e pescoço, a importância da prevenção e do diagnóstico precoce nestes casos.

Dr. Raphael, foi pego de surpresa ao ser diagnosticado no ano passado com um tipo de tumor de cabeça e pescoço. (Foto: Carlos Grevi)

Segundo o especialista, Dr. Raphael Sepulcri, esses números correspondem a um risco estimado de 10,69 casos novos para cada 100 mil homens e 3,71 casos para cada 100 mil mulheres. No público feminino é bem mais comum o câncer de tireóide com uma estimativa de 11.950 novos casos e para os homens 1.830 casos. Na região Sudeste, o câncer de tireóide é o terceiro mais comum nas mulheres. Na laringe, a estimativa é de 6.470 casos em homens e 1.180 casos em mulheres.

“No câncer de cabeça e pescoço, excluem-se os tumores de pele, linfomas, leucemias e outros que também podem acometer a região. Como sabemos, em todos os casos de câncer quanto mais precoce o diagnóstico, maior a chance de cura. Como no ano passado, a iniciativa tem o lema de que o “câncer está na cara, mas às vezes você não vê!”. Outro fator importante para alertarmos a sociedade é o crescente números de casos em pacientes mais jovens principalmente relacionados a infecção pelo vírus HPV”, explica.

Diagnóstico precoce

O principal fator que causa esse tipo de tumor é o tabagismo, de acordo com o médico, se for associado ao etilismo, as chances aumentam em dez vezes. Ultimamente tem crescido os cânceres de cabeça e pescoço, principalmente na orofaringe, relacionados à infecção pelo HPV. Geralmente, são pacientes mais jovens, o que está relacionado à promiscuidade sexual. A higiene da boca também conta como fator de risco, assim como, idade e hereditariedade.

“Para fazer o diagnóstico precocemente temos que nos empenhar para que os pacientes cheguem logo no início dos sintomas ao especialista o que é muito difícil, por isso, é muito importante falar sobre o câncer de cabeça e pescoço. A campanha Julho Verde vem para ajudar nesta conscientização. Podemos também alertar a população falando dos principais sintomas. Os pacientes que são tabagistas e etilistas crônicos e aparecem com uma ferida na boca de difícil cicatrização, dor ou dificuldade ao engolir, perda de peso, rouquidão por mais de duas semanas e aparecimento de um caroço no pescoço, são suspeitos e devem procurar um especialista”, alerta.

Especialista no Hospital Dr. Beda

O cirurgião ainda ressalta que no país, o número de especialistas na área é muito pequeno. São ao total mais de 800 médicos membros na Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Na região, apenas o Hospital Dr. Beda tem o especialista que atende os pacientes do SUS.

“Isto implica na dificuldade para o paciente chegar ao médico uma vez que poucos lugares têm centros formadores e muitas unidades que tratam câncer não tem o especialista, principalmente fora dos grandes centros. Tratamos muito poucos pacientes com estas neoplasias que vem do nosso consultório. Cerca de 80% dos pacientes chegam nas unidades para tratamento com doença avançada, o que dificulta a chance de cura. Em 2019, aumentamos na unidade cerca de 50% de atendimentos e cirurgias e com um único especialista. Nesse ano, os números deverão cair devido à pandemia do coronavírus, mas vale lembrar que a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica está estimando que cerca de 70% dos pacientes com câncer não estão nem fazendo biópsia para diagnóstico de câncer devido à pandemia, ou seja, é esperado que após esta fase deveremos ter uma epidemia de câncer. Estes pacientes provavelmente irão chegar com a doença bastante avançada”, frisa.

Ações do Julho Verde

Anualmente, o Grupo IMNE realiza ações no Julho Verde com o objetivo de disseminar informações para os pacientes e a sociedade em geral a respeito do câncer de cabeça e pescoço. Por causa da pandemia, os planos precisaram ser alterados.

“Neste ano estávamos com projetos de ir às escolas públicas e particulares falar da prevenção principalmente para a população mais jovem, mas devido à pandemia tivemos que adiar este projeto. Vamos divulgar a campanha através das redes sociais e se alguém quiser informações pode acessar @drraphaelsepulcri no instagram. Estamos programando também uma live com a comunicação do Grupo IMNE. Lembrando que o dia 27 de julho é o Dia Internacional de Combate ao câncer de cabeça e pescoço”, revela.

Sentindo na pele

Especialista na área, o Dr. Raphael, foi pego de surpresa ao ser diagnosticado no ano passado com um tipo de tumor de cabeça e pescoço.

“Fui paciente há bem pouco tempo. Tive um câncer de tireóide que foi diagnosticado bem no início, tanto que precisei apenas retirar a minha glândula. O mais importante é a prevenção. Não fumar e não beber! Sentiu alguns dos sintomas de que falamos acima procure logo um especialista. Nós temos uma excelente unidade na nossa cidade com ótimos resultados terapêuticos e toda a estrutura necessária, graças ao Grupo IMNE a quem deixo toda a minha gratidão por me acolher e me fazer sentir em casa.