Petrobras reduz custo de construção de poço no pós-sal

O conceito Totus desenvolvido e patenteado pela estatal é parte do esforço da companhia por soluções tecnológicas

Economia
Por Redação
14 de julho de 2020 - 14h25

Trabalhador atuando em plataforma de petróleo (Foto: Petrobras/Divulgação)

A Petrobras informou que, no início de julho, concluiu, em metade do tempo, a construção do poço submarino 7 GLF 49H ESS, no campo de Golfinho, na Bacia do Espírito Santo, a 100 km de Vitória. Este foi o primeiro poço do pós-sal construído com a aplicação do conceito True One Trip Ultra Slender (Totus), que consiste em simplificar e reduzir o tempo gasto nas etapas de perfuração e completação, a partir de otimizações e inovações inseridas nas fases de projeto e planejamento.

A utilização pioneira do Totus permitiu concluir este poço em apenas 44 dias frente a média histórica do campo de 96 dias, resultando numa redução de custo de aproximadamente 50%, equivalente a US$ 30 milhões. A Petrobras pode aplicar esse novo conceito em seus novos poços, em diversos campos maduros do pós-sal, no período de 2021 a 2025, com potencial de redução de custo entre US$ 20 – 35 milhões por poço.

O conceito Totus, desenvolvido e patenteado pela Petrobras, é parte do esforço da companhia na busca por soluções tecnológicas que visam reduzir custos em suas atividades de forma segura e eficiente. O conceito consiste na perfuração do poço em apenas três fases (Ultra Slender) e a completação (superior e inferior) instalada numa manobra única (True One Trip), diferente das configurações tradicionais (quatro ou cinco fases de perfuração e dois ou mais manobras para instalar a completação).

O Totus poderá ser utilizado em determinados campos maduros do pós-sal onde as características geológicas e de reservatório favorecem sua aplicação.

Fonte: Ascom