Polícia prende suspeito de matar assessor da Prefeitura de São João da Barra

Márcio de Mattos Guimarães trabalhava como motoboy e foi assassinado a tiros durante uma entrega em Atafona

Polícia
Por Redação
30 de junho de 2020 - 12h33

Vítima: Márcio de Mattos Guimarães (Foto: Reprodução/redes sociais)

Agentes da 145ª Delegacia Policial (DP) prenderam, na manhã desta terça-feira (30), em Atafona, no litoral de São João da Barra, um homem suspeito da morte do assessor da Prefeitura Márcio de Mattos Guimarães, na madrugada do dia 25 de maio.

O homem, que não teve a identidade revelada, foi levado para a 145ª DP, na sede do Município. Até a última atualização desta reportagem, a Polícia Civil não havia divulgado outros detalhes sobre a prisão.

Lotado da secretaria municipal de Comunicação Social, Márcio trabalhava como motoboy nas horas vagas e foi assassinado a tiros ao fazer uma entrega na rua Dionísio Cardoso Barboza, em Atafona.

Na ocasião, testemunhas contaram à Polícia Militar que pelo menos seis tiros foram disparados por um homem vestindo blusa branca. Márcio foi atingido em um dos braços e no peito.

Ele foi socorrido e levado para a Santa Casa de Misericórdia de São João da Barra. De lá, foi transferido para o Hospital Ferreira Machado (HFM), em Campos, onde morreu após a passar por uma cirurgia.

Briga de torcidas

Márcio era um dos suspeitos de participação na morte do chefe de torcida organizada Vinícius do Rosário Almeida Mangelo, mais conhecido como Birigui, em 2016, em Campos.

O assessor chegou a ser preso pela Polícia Civil durante a Operação Fair Play, naquele mesmo ano, junto de outros nove membros da Torcida Jovem do Flamengo.

A ação foi resultado da investigação da morte Vinícius do Rosário Almeida Mangelo, o Birigui, presidente da Força Jovem Vasco em Campos e da torcida organizada Império Americano.

Birigui tinha 38 anos quando foi executado em frente à quadra da escola de samba Os Psicodélicos, no Parque Rosário, em Campos, em março daquele mesmo ano.

Segundo a Polícia Civil, o crime teria sido motivado por uma briga entre as torcidas do Vasco e do Flamengo.