Cisp ajuda a elucidar crimes por meio de sistema de monitoramento por câmeras pela cidade

O órgão de segurança completou um ano de operações e tem a participação e apoio da PM

Campos
Por Priscilla Alves
30 de junho de 2020 - 15h48

Cisp foi inaugurado em maio (Foto: Divulgação)

O Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) completou um ano no mês de março de 2020 e a cada dia aumenta o alcance de suas câmeras. Atualmente, são 90 da central de monitoramento e outras 60 câmeras próprias. Os equipamentos estão espalhados pela cidade e ajudam, por exemplo, no combate ao tráfico de drogas, em casos de acidentes de trânsito, a solucionar crimes como homicídios e até mesmo encontrar pessoas desaparecidas.

“É importante deixar frisado que a segurança pública não é simplesmente prender alguém. Muitas pessoas têm essa visão, mas engloba casos de acidente de trânsito, falta de energia em algum ponto específico, um hospital que está com falta de médico e tantos outros casos. A gente aqui trabalha com tudo isso. Nós queremos trazer mais segurança para a população e fazer com que a segurança paire na nossa cidade. A gente vê que esse trabalho em conjunto com outras forças de segurança está dando muito certo”, garantiu Darcileu Amaral, secretário municipal de Segurança Pública de Campos.

O Cisp entrou em operação em março de 2019 e tem a participação e apoio de vários órgãos de segurança, como a Superintendência de Postura, o Instituto Municipal de Trânsito e Transporte, a Polícia Militar, Guarda Municipal e Polícia Civil. As câmeras estão instaladas em locais estratégicos de todo o município.

Darcileu Amaral, Secretário Municipal de Segurança Pública (Foto: Carlos Grevi)

“Com a mancha criminal que as polícias Civil e Militar nos passaram previamente, a gente instalou as câmeras em pontos estratégicos. Entre eles estão as pontes, as entradas da cidade, Guarus, Centro, e em alguns bairros específicos que a gente sabe que são violentos. Ainda queremos ampliar muito mais o trabalho, queremos colocar câmeras que identificam placas de veículos furtados e acionariam um botão de pânico para nos alertar, câmeras com reconhecimento facial, mas isso seria em um próximo passo porque agora as condições financeiras são difíceis”, explicou.

O Cisp também faz o monitoramento, por meio de GPS, de todos os ônibus e vans que circulam na cidade. “A gente acompanha em tempo real e, com as informações, podemos deslocar viaturas para verificar alguma situação suspeita. Uma vez um ônibus desviou da rota, ficou parado mais que o normal em um local. Percebemos e enviamos uma viatura que conseguiu evitar um roubo e prender o suspeito”, lembrou.

 

Casos marcantes

O roubo de um ônibus que foi evitado foi um dos tantos casos que o Cisp tem participação importante. Outra situação mais recente em que teve colaboração foi na resolução do assassinato de Carlos Ritter, o Carlão. “No caso do Carlão, nos cedemos algumas imagens que colaboraram para desvendar o crime”, lembrou. Neste crime, a Polícia Civil conseguiu identificar e prender todos os envolvidos graças a imagens de câmeras de segurança.

Outro caso de grande repercussão foi o de uma adolescente que havia desaparecido e aconteceu logo que o centro foi inaugurado. “Por meio das imagens do sistema de monitoramento, nós descobrimos que ela havia comprado uma passagem para são Paulo e conseguimos ajudar a encontrá-la também”.

No final do mês de maio, foi a vez de uma mãe com dois filhos – um de oito meses e outra de quatro anos – ser ajudada. A mulher, que havia perdido o ônibus para Córrego Fundo, na área rural de Campos, onde mora, estava com as crianças na rodoviária desde 16h20 e foi abordada pelos agentes por volta das 22h. “A gente também tem um lado social. Nossa agente Liliane percebeu a situação, fez contato com a Guarda e a gente ajudou para que ela fosse para a casa de uma parente passar a noite”.

 

Monitoramento ajuda na elucidação de crimes (Foto: divulgação)

Campos + Segura

‘Campos + Segura’ é inspirado em um projeto que já existe em São Paulo e em outras cidades do país e do mundo. Por meio dele, a população pode entrar no site do Cisp, fazer o cadastro de alguma câmera que filme a rua e também ter acesso ao sistema de monitoramento do município.

“Esse projeto ajuda bastante na solução de problemas e até na segurança de quem é o dono da câmera. A gente tem um botão de segurança e a pessoa que percebe algo diferente, pode, no aplicativo, apertar o botão de pânico e a tela da câmera pisca na nossa central para chamar atenção. A gente rapidamente age, liga para a pessoa, entra em contato com a polícia e desloca uma viatura da PM e da guarda ao local”, destacou Amaral.

Embora seja benéfico não só para o Cisp, mas também para quem cadastra a câmera, o projeto até hoje teve baixa adesão.

“A gente precisa que a população seja mais adepta a esse serviço. Imagina se a gente tivesse duas câmeras em cada rua do nosso município? Nossa cidade estaria praticamente toda fechada com circuito de videomonitoramento. Hoje temos apenas 28 câmeras que fazem parte desse projeto, o que é muito pouco. As pessoas em Campos têm medo de serem vigiadas. Mas a gente só tem acesso à câmera que filma a rua. A pessoa pode ter 10 câmeras em casa, mas a gente vai ter acesso só à câmera da rua”, explicou.

 

Ação também contra o coronavírus

Segundo Amaral, a Cisp também possui uma central em que recebe denúncias de situação que desrespeite os decretos de combate ao coronavírus no município. “Recebemos denúncias pelo número (22) 98175-2058 sobre festas, campeonatos de pipa, comércio irregular, entre várias situações em desacordo com o decreto. Analisamos cada caso e quando necessário vamos ao local fazer a verificação”.