Grupo IMNE suspende convênio com operadora de saúde Cassi mais uma vez por falta de pagamento

O tratamento de pacientes internados não será interrompido

Geral
Por Redação
21 de maio de 2020 - 13h59

Após reiteradas tentativas de solução junto à operadora de Saúde CASSI em relação a débitos financeiros não quitados, a direção do Grupo IMNE decidiu, nesta quarta-feira (20), suspender os serviços para os associados da mesma. A decisão foi tomada devido à falta de pagamento do plano médico pelos serviços hospitalares realizados pelas unidades que compõem o IMNE, como Hospital Geral Dr.Beda, Clínica e Maternidade Lilia Neves e UTI Neonatal Nicola Albano. Entretanto, pacientes já em tratamento ou internados não serão prejudicados.

Segundo a direção do Grupo IMNE, todos os usuários internados atualmente em alguma de suas unidades de saúde, e que pertencem ao plano CASSI, serão atendidos até o momento de alta hospitalar. A informação é para tranquilizar os pacientes e seus familiares, reforçando o compromisso do IMNE de zelar e cuidar da vida de seus assistidos em todo o tempo. O comunicado sobre a suspensão do convênio com o plano CASSI foi encaminhado à operadora e aos seus usuários.

A primeira interrupção no atendimento à CASSI se deu no dia 27 de janeiro, quando a direção do Grupo IMNE comunicou publicamente a suspensão  dos serviços para a operadora, pelos mesmo motivos de falta de pagamentos dos serviços prestados. A segunda suspensão nos atendimentos aconteceu após outro comunicado no dia 2 de fevereiro, não obtendo em nenhum momento um posicionamento da CASSI no sentido de solucionar as pendências.

A constante inobservância ao contrato firmado entre a operadora e as empresas do Grupo IMNE, sem que a atual diretoria da CASSI demonstrasse qualquer atitude no sentido de saldar a citada dívida levou o grupo IMNE a tomar tal atitude, pois além do desrespeito contratual, o fator adicional “quebra de confiança” se fez presente em todas as tentativas de solução da questão.

A Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) existe há 76 anos e conta atualmente com cerca de 650 mil segurados. Em 2018, a operadora enfrentou problemas de reservas financeiras e inversão de patrimônio, além de alguns impedimentos por não conseguir cumprir exigências feitas pela Agência Nacional de Saúde (ANS). De acordo com reportagem publicada pelo site brasiliense “Metrópoles” em 28 de novembro de 2019, nos últimos sete anos a CASSI tinha dívidas de R$ 900 milhões. Para não quebrar, um novo estatuto foi elaborado e aprovado por seus associados.