Um lockdown justificado

Todos concordam que a pandemia está abreviando vidas, e não há nada mais importante do que elas

Opinião
Por Editorial
17 de maio de 2020 - 0h01

Em um primeiro momento, no calor da temperatura provocada pela confirmação de que o prefeito de Campos, Rafael Diniz, iria decretar o bloqueio total, o chamado lockdown, o Terceira Via considerou a medida equivocada, pois havia indicativos de que o isolamento social era satisfatório e os efeitos da pandemia aqui, de certa forma, estivessem sob controle, mesmo com o número de casos aumentando.

Com a divulgação do Decreto na tarde de sábado (16), cujo teor pontua didaticamente os motivos que levaram o prefeito a adotar a medida extrema por uma semana, temos que reconhecer que ela é necessária nesse momento.

Desta forma, o Terceira Via, que sempre foi marcado pela credibilidade, não sente nenhum constrangimento em admitir que a sua primeira opinião sobre o caso estava “equivocada” naquela primeira hora antes de se tornar público detalhes do Decreto.

Obviamente, tudo é muito delicado porque a pandemia provoca mortes de pessoas e sequelas fortes na economia, com as quais teremos que conviver depois que tudo for superado, e não há precisão de quando essa normalidade se apresentará. Esperamos que em breve, já que todo o mundo cientifico trabalha em busca de uma vacina e de um tratamento eficaz contra o Covid-19.

Todos concordam que a pandemia está abreviando vidas, e não há nada mais importante do que elas. No momento, o que temos para enfrentar a crise é isolamento social, cujo Decreto mostra que em Campos foi relaxado.

Como não há como remediar, à medida em que leitos, respiradores e UTIs são escassos, o acertado é prevenir, e o isolamento social é a maior prevenção. O bloqueio total decretado pelo prefeito Rafael Diniz foi necessário pelo período exposto, sendo submetido a uma avaliação de seus resultados na sequência.

O lockdown tem por objetivo fazer com que o isolamento social seja pleno neste triste quadro. Sublinha a mais forte expressão ouvida nesta pandemia que é o “ Fiquem em Casa” até o perigo passar ou diminuir, pois agora ele bate na porta de cada cidadão de Campos, e começamos a contar mais casos e mortos do que prevíamos.