Ícones do carnaval campista destacados em exposição

Organizada por Marcelo Sampaio, mostra fica em cartaz no Museu de Campos até 15 de março

Cultura
Por Redação
23 de fevereiro de 2020 - 14h52

Objetos carnavalescos da mostra (Fotos: Bárbara Lemos/SupCom)

Uma celebração aos grandes nomes do samba campista está sendo realizada no Museu Histórico de Campos. A exposição temporária “Ícones do Samba Campista” tem curadoria do historiador Marcelo Sampaio. A mostra reúne uma breve história de 14 sambistas da região, que deixaram seu legado na música brasileira nacional e local. A exposição permanece até o dia 15 de março no Museu Histórico.

A exposição apresenta a biografia dos sambistas: Wilson Baptista, Roberto Ribeiro, Jorge da Paes Almeida, Toninho Shita, Aloisio Machado, Geraldo Gamboa, Athayde Dias, Manoel Tancredo, Joel Teixeira, Jurandir da Mangueira, Eli Miranda, Zé Ramos, Delcio Carvalho e Sebastião Motta – campista que teve sua composição “Fechou a Porta” gravada por mais de 80 músicos, entre eles Beth Carvalho e Simone. A mostra reúne ainda discos de vinil, fotos, esculturas e livros disponibilizados pelo Centro Cultural Marcelo Sampaio e dos acervos pessoais do jornalista Wellington Cordeiro e do professor Gustavo Soffiati.

“O samba é uma manifestação cultural, artística e musical da alma do povo brasileiro. Portanto, precisamos ter mais oportunidades de referenciar o samba que vem da periferia. O Marcelo é um amigo do Museu Histórico e realizou uma pesquisa muito sensível sobre os 14 ícones do samba campista. Os visitantes vão conhecer um pouco da história do samba e do Carnaval de nossa cidade, através da história de vida de cada sambista listado”, destacou a gerente do Museu Histórico de Campos, Graziela Escocard.

Segundo o historiador, Marcelo Sampaio, a exposição é uma forma de evidenciar e valorizar a história que muitos campistas não conhecem, já que muito da memória da cultura nacional e local é esquecida. “O importante desta exposição é que as pessoas conheçam que seus conterrâneos ofereceram um grande legado ao samba, acredito que muitos nem saibam que surgiram daqui tantos nomes importantes. Então esta é uma forma de darmos o devido reconhecimento aos artistas, e assim, o Museu Histórico abre espaço a estas pessoas que fizeram sucesso na cultura popular”, comentou Marcelo Sampaio.

O Museu Histórico de Campos funciona no Solar Visconde de Araruama e está localizado na Praça do Santíssimo Salvador, 40, no Centro. Para agendamentos escolares e em grandes grupos é necessário um responsável, maior de 18 anos, comparecer ao espaço ou ligar para (22) 98175-0616. O espaço é ligado à Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL) e funciona de terça à sexta-feira, das 10h às 17h; durante o verão aos sábados e domingos o Museu não funcionará.