Campos precisa se prevenir contra tempestades futuras

As tempestades aqui são rápidas e causam transtornos pelo fato de termos uma rede de galerias de águas pluviais obsoleta

Opinião
Por Editorial
11 de fevereiro de 2020 - 15h49

Chuva causa transtornos no Centro de Campos (Foto: Carlos Grevi)

A Defesa Civil está monitorando as chuvas em Campos. Felizmente, até aqui as chuvas que caem sobre a cidade têm causado mais benefícios à lavoura do que estragos urbanos. Mas a questão das chuvas que causam enchentes em Campos é exatamente outra.

Não existe um único caso de enchente, ao contrário do que acontece em São Paulo e Belo Horizonte, provocado por temporais. Apesar de ruas alagadas, as tempestades aqui são rápidas e causam transtornos pelo fato de termos uma rede de galerias de águas de pluviais obsoleta.

As enchentes em Campos, como ocorreu mais uma vez em Três Vendas e Ururaí, são consequências de chuvas que caem nas cabeceiras dos rios Paraíba do Sul e seus afluentes nos estados de Minas Gerais e São Paulo. Nunca uma enchente aqui é culpa de uma chuva local.

Reportagem Especial do jornal Terceira Via impresso, em sua edição passada, mostrou que no século passado Campos foi beneficiada com a construção de uma bateria de diques que desde 1966 consegue segurar o Rio Paraíba, e a prova de fogo foi a enchente de 2007, quase toda contida.

O desafio dos gestores, hoje, é rever toda estrutura das galerias, porque em um futuro próximo, Campos, que está virando uma cidade de concreto, possa vir a ter grandes tempestades como São Paulo e Belo Horizonte. A melhor maneira de se preparar para isso é construir galerias capazes de receber um grande volume d´água.

A Pelinca, por exemplo, virou ponto de alagamento, desde que os prédios começaram a subir e as galerias não acompanharam. Isso está acontecendo por toda cidade. Vale o alerta da Defesa Civil, assim como vale esse alerta para a Prefeitura e a concessionária responsável pelas galerias.