A renovação literária de Campos

Jovens escritores se projetam com publicações impressas e digitais que conquistam o público

Cultura
Por Ocinei Trindade
28 de janeiro de 2020 - 14h14

Ronaldo, Aline, Raquel, Lucas e Bella : talentos literários em ascensão (Arte: Cassio Peixoto)

A Era Digital tem provocado diversas transformações no modo de as pessoas se comunicarem. A escrita e a leitura se inserem neste contexto. Com bilhões de pessoas conectadas à Internet, escritores, poetas, músicos e artistas em geral, buscam de algum modo, exibir suas obras. Em Campos, jovens autores despontam em redes sociais, mas sem perder hábitos antigos ou analógicos. A publicação de livros, participação de concursos literários, saraus, festivais de poesias ajudam também na divulgação de uma novíssima geração de escritores.

Livia Prado, atriz, poeta e autora (Foto:Fernando Dias)

 

Há nomes de jovens escritores e poetas de Campos já conhecidos por quem é interessado em literatura, além de eventos e festivais culturais. Bella Prudêncio, Ronaldo Junior, Raquel Nunes, Lívia Prado, Lucas Campista são alguns desses jovens que têm renovado a escrita literária. O prazer e a paixão pela palavra e pelo texto se manifestam em versos como do poema “Cinza”, premiado no último Festival de Poesia Falada de Campos, escrito e interpretado por Lívia Prado, de 30 anos.

“Eu sei o que é morrer. Matei-me muitas vezes, em lascas fétidas cerrei ossos inteiriços de minha pele esgarçada por demandas externas.     Triturei minha pele e colei sobre o vento o pó que fiz de mim…”.

 

Bella Prudêncio, escritora e poeta (Foto: Sinestesia)

Com formação de atriz profissional, palhaça e professora de teatro, Lívia Prado escreve desde os 14 anos.  Participou da revista independente Abutre e da Antologia Internacional de Escritoras de Escritoras Negras África-Brasil Negras Daqui Negras de Lá.

“Faço divulgação dos meus textos em saraus. Utilizo pouco as redes sociais, mas tenho nessas ferramentas.A poesia representa a oportunidade de expressar meus atravessamentos, inquietações e emoções, além da possibilidade de inspirar pessoas”, diz ela que foi inspirada por Conceição Evaristo, Elisa Lucinda, Maria Carolina de Jesus, Manoel de Barros, Solano Trindade, Mário Quintana, Adélia Prado, entre outros. 

Escritor e poeta Ronaldo Junior (Foto: Patrícia Bueno)

Com três livros impressos publicados, além de 12 obras em formato on line, a escritora Bella Prudêncio, de 22 anos, afirma que a escrita é sua principal fonte de renda atualmente. Recentemente, fechou três contratos com a maior editora da Dinamarca. Autora de “Sebastian”, “Clube dos Suicidas” e “505”, se diz fã de Machado de Assis. Tanto é, que, tatuou no ombro o busto do maior escritor brasileiro.

“No Instagram, tenho uma página de pensamentos que é “Lua em Câncer”. Eu tinha um blog onde escrevia crônicas. Agora tenho uma coluna de contos eróticos no portal Superela. Meus pais me incentivaram a ler. Gosto de escrever para jovens. Romances prioritariamente. Eu tenho dois ebooks de poesia:  “O coração de Capitu” e “Lua em Câncer”. Gostaria de ser mais reconhecida pelo público de minha cidade. Meu livro é muito comprado na Alemanha e Bélgica, mas aqui ainda não”, comenta Bella.

Lucas Campista publicou livro e tem participações em academias (Foto: Carlos Grevi)

Aos 18 anos, o estudante Lucas Campista tem livro de poesia publicado desde 2015. Ele integra diversos grupos e instituições nacionais voltados para a literatura. Autor de “Um jovem poeta no mundo da Lua”, ele conta que possui mais de 200 poemas para serem publicados em “A arte dos versos”, além de um romance chamado “Acasos do destino”, mas, que, por falta de patrocínio, ainda não conseguiu lançar.  O Instagram é um canal que mantém para divulgar seus textos.  “Quero lançar mais livros e fazer com que jovens possam ter essa oportunidade, A educação é um caminho que nos leva a lugares incríveis”, defende.

O escritor Ronaldo Junior, de 23 anos, formou-se em Direito, mas decidiu estudar Letras por causa da atração pela escrita e pela língua portuguesa. Ele escreve desde os 15 anos, incentivado pelos professores. Tornou-se membro da Academia Campista de Letras em 2019. “Poesia faz parte do meu hábito, sendo meu lugar de invenção e desconstrução. Tenho um livro publicado “O verso sou eu: antologia de sentimentos”, além de vários projetos”, diz.

Ronaldo Junior considera sua poesia como de aspecto visual, baseada no neoconcretismo de Ferreira Gullar. “Mas com os olhos voltados para a nossa atualidade. Me coloco como seguidor e admirador de poetas não tão jovens como Joel Ferreira Mello e Carlos Augusto Alencar. A poesia deles é um retrato dos nossos tempos e, claro, da própria identidade campista”, cita.

Raquel Nunes, escritora e poeta (Foto: Acervo Pessoal)

A estudante de Direito, Raquel Nunes, diz escrever desde sempre no alto de seus 23 anos de vida. “Sempre li muito, e quando descobri que podia criar minhas próprias histórias não parei mais”. Em 2019, ela participou de um concurso de contos, Ficou entre os 12 autores mais bem colocados que tiveram a chance de publicar suas criações em uma antologia pela Editora Qualis, lançada na Bienal do Rio.  “Chamou-se “A Involução das Espécies”. É a história de um pescador de um vilarejo pequeno que perde a família, e, depois, salva a vida de um peixe e de uma ave,  descobrindo que pode encontrar a felicidade e o amor novamente”, revela.

Raquel Nunes utiliza o Instagram para divulgar suas poesias, além do Tumblr. Escreve sobre todos os temas, mas as reflexões sobre o ser humano e a vida se destacam. Acho que estamos conseguindo trazer um pouco de volta o interesse dos jovens para a leitura em geral, principalmente para a poesia através das redes sociais”

Jane Rangel, professora e escritora (Foto:Facebook)

Para a professora de artes, Jane Rangel, é preciso estimular os jovens escritores. Ela é responsável pelo evento Espaço Cult em Campos, onde músicos, atores e poetas costumam se apresentar.

“É preciso tirar os bibelôs, garrafas e porta-retratos das estantes e fazer a retomada dos livros visíveis e palpáveis. Os livros estão fora da estante. Estamos em novo tempo onde o digital e os aplicativos nos tomaram. Sou adepta ao livro e o acho um instrumento  maravilhoso de motivação para a escrita. Os jovens estão escrevendo novos gêneros sendo absorvidos de forma fantástica”, avalia.

O poema “Uma” escrito por Raquel Nunes exibe um pouco de sua sensibilidade feminina.

“Queria ser capaz de atravessar paredes, mas sem passar para os outros lados, restar imperturbada, dentro de sua convicção sem nunca mais me mexer até me misturar à construção, e saber a paz que é ser abraçada por tijolos calados que não podem ter nada a me dizer.”