Um verão de respeito

Não foram verões bons para muitos dos frequentadores do Farol aqueles de shows milionários

Opinião
Por Redação
19 de janeiro de 2020 - 0h01

Farol de São Thomé (Foto: Carlos Grevi)

Um observador mais atento pode concluir que o verão na praia campista do Farol vem mudando para melhor, mostrando que não só de trio-elétrico se faz um verão. A repórter Priscilla Alves foi atrás de outras andorinhas que juntas estão fazendo a diferença, mostrando uma temporada voltada para eventos familiares, gastronomia e muitas outras opções.

A reportagem Especial desta edição sugere que o perfil do gosto do veranista do Farol está se moldando ao respeito mútuo e as boas práticas da boa convivência. Não foram verões bons para muitos dos frequentadores do Farol aqueles de shows milionários e com trios-elétricos rompendo ruas e madrugadas.

Não que o trio-elétrico seja algo a ser demonizado. Ele tem seu espaço, mas não pode ocupar todos. Desta forma a praia campista abriu espaços para novos restaurantes, bares com shows acústicos e opções diversas de lazer voltadas para o esporte por exemplo.

Anteriormente, o número de ocorrências policiais nos eventos de massa na praia do Farol mostrava que alguma coisa estava fora da ordem. Os próprios arrastões puxados por trio-elétricos tinham nele embutido uma certa transgressão nada saudável, com brigas e ameaças.

Neste ano bissexto, proporcionando um verão mais longo, as águas de março vão fechar a temporada com a ressaca do carnaval. Isso significa que há muito verão pela frente e até aqui Farol tem passado no teste, não de um verão pacato, muito pelo contrário, mas um verão contemplativo. E por que não dizer um verão de respeito?