Programação da Festa de Santo Amaro começa a ser definida

A abertura será no dia 5 de janeiro com a realização da tradicional cavalgada

Campos
Por ASCOM
2 de dezembro de 2019 - 12h01

A programação da 287° Festa de Santo Amaro começa a ser definida em Campos. A abertura será no dia 5 de janeiro com a realização da Cavalgada que sairá às 9h com destino à Igreja do Padroeiro da Baixada Campista. Os cavaleiros recebem as bênçãos do Reitor, Pe. Alcemar Pereira da Silva. Logo em seguida, na Pista do Laço, acontece o leilão com objetivos da continuidade das obras do Centro Pastoral.

Tradicional na Baixada Campista, a Festa de Santo Amaro já está no calendário cultural da cidade e recebe devotos de várias as partes do Brasil. E nos próximos domingos iniciam os ensaios da tradicional cavalhada. Uma atração com quase quatro séculos e representa um importante folguedo que se mantém preservado pelos moradores. A representação na arena da praça atrai turistas no dia 15 de janeiro.

“Os festejos em louvor a Santo Amaro são os mais importantes para a regionalidade católica, principalmente da Baixada Campista, um espaço por onde percorreram as missões jesuítas nos tempos da colonização. Santo Amaro consegue reunir em torno de seus milagres romeiros de todo país e, nesse sentido, sua santificação de faz nacionalmente, inclusive no contexto das culturas populares, sendo a mais importante a encenação das cavalhadas, retratando as lutas entre mouros e cristãos”, destaca Orávio de Campos Soares.

A Presidente da Fundação Cultural Jornalista Osvaldo Lima destaca que a Festa de Santo Amaro é um evento aguardado e muito prestigiado por toda a comunidade campista e regiões vizinhas, não só pelo grande fervor que o santo desperta nas pessoas, mas pela sua importância histórica, religiosa e cultural.

“Chegando, este ano, à sua 287ª edição, a festa tem entre suas principais atrações, a Cavalhada, que é a representação de um combate entre mouros e cristãos, uma manifestação que vem se perpetuando como cultura viva, única no Brasil, atualmente. É um momento de fé e cultura da maior importância”, comenta.