Hospital dos Plantadores de Cana suspende atendimento na Pediatria

Prefeitura informou que replaneja o cronograma de pagamentos aos hospitais por causa de queda na arrecadação de royalties

Campos
Por Redação
14 de novembro de 2019 - 10h14

Hospital dos Plantadores de Cana (Foto: Carlos Grevi)

O atendimento na Pediatria do Hospital dos Plantadores de Cana (HPC) foi suspenso nessa terça-feira (13), conforme confirmou a assessoria da unidade. O motivo é o atraso de quatro meses no repasse da Prefeitura de Campos aos hospitais contratualizados da cidade. A rede contratualizada também inclui Beneficência Portuguesa, Hospital Escola Álvaro Alvim e Santa Casa de Misericórdia. Em nota, a Prefeitura informou que replaneja o cronograma de pagamentos, já que na última sexta-feira (8), a administração municipal foi surpreendida ao receber a metade do que estava previsto de Participação Especial de royalties do petróleo.

Por meio da assessoria, o HPC informou que o último paciente do setor pediátrico recebeu alta na segunda-feira (11) e que a unidade não tem mais condições de receber novos pacientes, devido à falta de insumos. Ainda de acordo com o HPC, o hospital recebeu recentemente repasse de verba do Governo Federal, mas que não forram suficientes para repor os estoques de medicamentos e demais insumos necessários.

O HPC destacou, também, que a unidade ainda não recebeu um posicionamento da Prefeitura sobre quando os valores devidos serão quitados. No final de outubro, o HPC já havia suspendido a realização de cirurgias eletivas pelo mesmo motivo.

O repasse atrasado é referente à complementação que o poder público municipal faz em relação aos procedimentos realizados nos hospitais pelo Sistema Único de Saúde (SUS), cuja tabela está defasada.

Sem o repasse municipal, três das quatro unidades hospitalares (Beneficência, Plantadores e Santa Casa) alegam que não estão conseguindo manter o salário dos servidores em dia. Isso tem motivado manifestações da categoria, que está em estado de greve desde 23 de outubro.

Veja o posicionamento dos hospitais
A  direção do Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Serviços de Estabelecimentos de Serviços de Saúde da Região Norte Fluminense (SINDHNORTE) informa que até esta quinta-feira (14), a Prefeitura de Campos não realizou o pagamento dos serviços contratados dos hospitais filantrópicos.  Informamos que já se acumulam 4 meses de atrasos.
Sobre o aporte financeiro através do governo do Estado, esclarecemos que também até esta quinta, o repasse não foi feito. Acreditamos que por causa de trâmites administrativos, o dinheiro deverá ser liberado na próxima semana.
A diretoria explica ainda que os hospitais estão buscando na Justiça a liberação do pagamento,  e aguardam a decisão do Tribunal, já que a prefeitura recorreu para não pagar pelos serviços contratados pelo próprio governo. Também aguardamos decisão da ação impetrada na justiça pela Promotora  de Justiça de Tutela Coletiva da Infância e da Juventude, Anik  Rabelo Assed Machado .
A direção do sindicato afirma que os recursos repassados pelo governo federal (SUS) foram usados  para pagamento de parte dos salários e parte para de compra de materiais e medicamentos. Ressaltamos que a complementação é vital para a manutenção  dos hospitais, já que a tabela SUS não é reajustada há 19 anos.

Confira na íntegra a nota da Prefeitura sobre o assunto:

A Prefeitura replaneja o cronograma de pagamentos já que na última sexta-feira (8), a administração municipal foi surpreendida ao receber a metade do que estava previsto de Participação Especial, que impactou drasticamente as finanças do município. Com relação aos hospitais contratualizados, a Prefeitura segue realizando alguns pagamentos, inclusive, conforme definido em juízo.

Através da Secretaria Municipal de Saúde, foram repassados R$ 5,9 milhões em recursos federais aos hospitais contratualizados da rede — Santa Casa de Misericórdia, Beneficência Portuguesa, Álvaro Alvim e Plantadores de Cana — na última segunda-feira (4). Com isso, em 2019, as unidades já receberam R$ 81,9 milhões em recursos federais, mais R$ 44 milhões em recursos municipais, totalizando R$ 125,9 milhões. Além disso, ao longo desta semana, a Prefeitura depositou, ainda, um total de R$ 7.207.459, 33‬- em virtude de bloqueio judicial.

O secretário municipal de Saúde, Abdu Neme; o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos; o deputado estadual Rodrigo Bacellar e os diretores dos hospitais contratualizados de Campos se reuniram na última quarta-feira (6), no Rio de Janeiro, em busca de alternativas e apoio para a regularização do repasse municipal para as unidades. A curto prazo ficou definido um repasse de R$ 8 milhões para ser dividido entre os quatro hospitais contratualizados.

BLOG

Eu e minha blogueirinha

Há 19 minutos
BLOG

Famosinhos

Há 20 minutos
BLOG

Estrelas da Tia Patty

Há 20 minutos
BLOG

Para se pensar…

Há 23 minutos
BLOG

Hora da ceia

Há 23 minutos