Um século de vida para comemorar em Campos

Aposentado Bráulio Cordeiro celebra 100 anos de idade; diz que amar, caminhar e trabalhar ajudam a viver mais

Comunidade
Por Ocinei Trindade
7 de novembro de 2019 - 15h46

Bráulio Cordeiro, 100 anos, com a esposa Sirley, de 94: celebração (Fotos: Divulgação)

No dia 7 de novembro de 1919, nasceu na cidade de Porciúncula (RJ),  Bráulio Gomes Cordeiro Brum. Descendente de portugueses, veio morar em Campos dos Goytacazes ainda pequeno. Atuou por muitos anos como vice-presidente da Rede Ferroviária Federal e presidente de comissões de inquérito do antigo INAMPS. O aniversário de 100 anos será comemorado com a esposa Sirley, os dez filhos, netos e bisnetos. Uma vida e tanto para celebrar.

Por telefone, Seu Bráulio conta que chegar aos 100 anos de idade é uma grande alegria, principalmente com a memória e o raciocínio funcionando perfeitamente. Ele é assinante de jornais que são lidos diariamente. Os telejornais e novelas bíblicas, além de livros espíritas, estão entre suas preferências e ocupações. Com um século de existência, o uso da bengala para caminhar se tornou necessário.

“Sempre caminhei muito. Nunca ingeri bebidas alcoólicas. Fui fumante por 10 anos, mas parei. Hoje tenho um pouco de diabetes, mas está controlada. Como de tudo, nunca tive restrição alimentar. Sempre trabalhei bastante para criar e educar 10 filhos. Isto foi uma honra para mim e minha esposa que está para completar 94 anos. Estar em família é um privilégio”, diz Bráulio.

Bráulio Cordeiro é o primeiro da família a chegar aos 100 anos. De acordo com registros familiares, seus pais e avós viveram em torno de 85 anos. Para o procurador municipal Luiz Carlos Cordeiro, filho de Bráulio e Sirley, ter um pai centenário com boa saúde é um privilégio.

“Ele está sempre com a mente ocupada. É muito bem-informado, conversa sobre qualquer assunto. Não dispensa uma feijoada. Espero também poder chegar aos 100. Estou atualmente com 73, e até decidi estudar medicina. A gente precisa estar atualizado e em atividades. Meu pai é um grande exemplo”, comenta Luiz Carlos, o filho primogênito.

Quando perguntado sobre o que é preciso fazer para chegar aos 100 anos, Bráulio Cordeiro especula. “Acho que é preciso trabalhar muito. O trabalho não é uma coisa ruim. Andei muito a pé a vida inteira. Estar em movimento e ocupado sempre me fez bem”, afirma.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em censo realizado no ano de 2018, no Brasil há em torno de 24 mil pessoas que chegaram aos 100 anos de idade. Alguns fatores podem contribuir para esta longevidade, como pré-disposição genética, alimentação e cuidados com a saúde. O avanço da medicina colabora para evitar e combater alguns tipos de doenças, mas não é um fator determinante.

Para Bráulio Cordeiro, o melhor da vida é o amor. “Eu creio em Jesus como fonte de amor divino. Mas estar com a família, com os amigos é algo muito bom de experimentar e viver. Isto ajuda a manter a gente vivo e feliz. Estou bem feliz. Para mim, isto é o melhor da vida”, conclui.