Gersinho Crispim é solto, mas ficará afastado da Câmara de SJB por 6 meses

O parlamentar também não poderá entrar em contato com seus assessores durante o processo

Geral
Por Redação
17 de outubro de 2019 - 16h17

Pouco mais de 24 horas após ser preso em flagrante, o vereador de São João da Barra, Gersinho Crispim (SD), foi solto na tarde desta quinta-feira (17) por meio de decisão do juiz Alexandre Rodrigues de Oliveira em audiência de custódia. Segundo o advogado do parlamentar, Antônio Maurício Costa, entre as medidas restritivas que ele deverá cumprir está o afastamento do legislativo municipal por 180 dias (seis meses); ele também não poderá manter contato com os envolvidos no processo, principalmente com seus assessores.

Gersinho é suspeito de manter um esquema de “rachadinha” entre funcionários de seu gabinete, na Câmara do município, e foi preso na manhã de quarta-feira (16), ao chegar para participar de sessão da Casa de Leis. Essa prisão ocorreu após a delação de um de seus assessores.

À reportagem do Jornal Terceira Via, o advogado de defesa declarou que, nos próximos dias, ele e o vereador decidirão como vão agir diante do processo. A princípio, durante esses 6 meses de afastamento, a cadeira de Crispim deverá ser ocupada pelo seu suplente, Alan de Grussaí (PSDB).

Apesar de expedir o alvará de soltura do vereador, o juiz Alexandre Rodrigues de Oliveira determinou que Gersinho deverá se afastar da Casa de Leis; não poderá entrar em contato (direta ou indiretamente) com as testemunhas do processo (principalmente com seus assessores); terá de se apresentar em juízo até o dia 10 de cada mês, até que o processo esteja finalizado, levando um documento com seu endereço atualizado; e não poderá sair da Comarca de SJB pelo prazo superior a 15 dias (salvo em casos de trabalho ou estudo).

A Câmara Municipal de São João da Barra, procurada pela equipe de reportagem, não se pronunciou sobre a prisão e sequer sobre a recente soltura do vereador.

ENTENDA
De acordo com nota oficial divulgada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), a prisão do vereador de SJB aconteceu logo após ele ter recebido R$ 3,5 mil de um assessor.

Ainda segundo a nota, “Gerson Crispim já vinha sendo investigado pelo MPRJ por supostos repasses de valores mensais da remuneração de servidores nomeados por ele para trabalhar em seu gabinete, sendo a prisão decorrente de ação controlada judicialmente comunicada”.

Crispim foi preso por agentes do Grupo de Atribuição Originária Criminal (Gaocrim), do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI), ao chegar para sessão da Câmara, que aconteceu normalmente.

Ainda conforme o MP-RJ, “as investigações apontam para a existência de uma embrionária organização criminosa, hierarquicamente organizada e suficientemente sedimentada para a prática de reiterados crimes contra a administração municipal, causando prejuízos aos cofres públicos do Município de São João da Barra”.

BLOG

Eu e minha blogueirinha

Há 22 minutos
BLOG

Famosinhos

Há 23 minutos
BLOG

Estrelas da Tia Patty

Há 23 minutos
BLOG

Para se pensar…

Há 26 minutos
BLOG

Hora da ceia

Há 27 minutos