Parceria entre Terceira Via e curso de jornalismo do Uniflu lança a série “Primeiras Reportagens”

Projeto objetiva incentivar os jornalistas em formação e aproximá-los do público leitor e do mercado de trabalho

Projeto Jornalismo Uniflu-Terceira Via
Por Ulli Marques
10 de setembro de 2019 - 14h50

Com o intuito de fortalecer o jornalismo na cidade de Campos por meio do incentivo aos profissionais em formação, o Jornal Terceira Via firmou uma parceria com o curso de Jornalismo no Centro Universitário Fluminense (UNIFLU) e lança esta semana a coluna “Primeiras Reportagens“. Alunos da graduação publicarão a cada 15 dias neste site suas produções jornalísticas e  multimídias com a supervisão dos professores do curso. A ideia é que eles possam exercer, de modo laboratorial, a profissão de repórter e obter a visibilidade do público. A primeira produção desses alunos será publicada nesta quarta-feira, dia 11 de  setembro, e terá como tema a violência contra mulher.

O Projeto Jornalismo Uniflu – Terceira Via é desenvolvido por meio da disciplina Redação Jornalística, que faz parte da matriz  curricular do Bacharelado em Jornalismo dessa instituição de ensino superior. Segundo a coordenadora do curso, professora doutora  Jacqueline Deolindo, a prática do “jornal laboratório” é obrigatória e, há alguns anos, os estudantes criaram o site Goytacá Informa, alimentado com reportagens desenvolvidas nas aulas dessa disciplina, alinhando a teoria e a prática. Levar essas produções para o Jornal Terceira Via foi o meio encontrado para que essas reportagens tivessem um alcance ainda maior.

Professora doutora Jacqueline Deolindo coordena o curso de Jornalismo do Uniflu (Reprodução)

“Queríamos fazer uma parceria com um veículo de comunicação que tivesse grande visibilidade na sociedade campista. Daí a escolha  pelo Jornal Terceira Via que se mostrou a melhor opção tanto pelos seus múltiplos modos de distribuição (online, impresso, TV e  redes sociais) quando pelo número crescente de pessoas que recorrem a esse jornal para obter informação. Sabemos que, publicando nesse jornal, as produções dos alunos terão um grande alcance”, explicou a professora.

A princípio, essas reportagens — de temas e abordagens diversas e aprofundadas — estão sendo produzidas pelos alunos do 3º e do 4º  período do curso de Jornalismo, quando é ministrada a disciplina Redação Jornalística. Ainda de acordo com Jacqueline, muitas  vezes essas serão as primeiras produções desses futuros profissionais, por isso o nome do projeto ser “Primeiras Reportagens”. “Mas, ainda que eles estejam aprendendo a se portar como repórter e a elaborar os textos, vídeos e fotos, todas as produções são supervisionadas pelos professores do curso, que estão bastante seguros e engajados nesse projeto. Vamos entregar jornalismo de qualidade para a população”, afirmou Jacqueline.

Um diferencial dessa nova coluna do Jornal Terceira Via são os recursos multimídia: como os estudantes também cursam disciplinas como Telejornalismo, Radiojornalismo e Fotojornalismo, muitas das reportagens publicadas em texto também serão complementadas com vídeos, fotografias autorais e podcasts.

“Os estudantes terão uma experiência de extensão em que outras linguagens audiovisuais serão desenvolvidas tanto para praticar as diversas vertentes do jornalismo, quanto para atingir a comunidade de maneira abrangente”, explicou a coordenadora do curso.

Aluna do 4º período de jornalismo, Mariana Bello Marques, de 20 anos, agradece a oportunidade.

“Estou muito feliz por poder publicar as produções do meu grupo no Jornal Terceira Via, um jornal de prestígio na cidade de Campos. Com essa publicação, nossos textos terão mais visibilidade e, quem sabe, pode nos ajudar a conquistar um espaço no mercado de trabalho. Agradeço à equipe do jornal e à Jacqueline Deolindo por essa chance”, declarou.

Sobre o primeiro texto publicado na coluna, uma reportagem em texto e áudio sobre violência contra mulher, Mariana explica:

“Nesta primeira reportagem, nosso objetivo é conscientizar as pessoas sobre os perigos de um relacionamento abusivo e quais os comportamentos que podem ser incluídos nessa categoria para, com essas informações, as vítimas ou até mesmo seus amigos e familiares, adquirirem consciência para superarem essa relação. Fizemos essa reportagem com muito carinho e dedicação para ajudar essas mulheres”, concluiu.