Transporte tronco-alimentador: vans e micrônibus voltam a circular

Cerca de 90 veículos começaram a atender moradores da Baixada Campista e Martins Lage neste sábado

Transporte
Por Redação
17 de agosto de 2019 - 16h27

(Foto: Divulgação/Prefeitura de Campos dos Goytacazes)

Após pouco mais de um mês sem circular, vans e micro-ônibus votaram às ruas de Campos neste sábado (17). Cerca de 90 veículos começaram a atender moradores da Baixada Campista e Martins Lage, que desembarcavam, respectivamente, em terminais provisórios montados no prolongamento da Avenida Nossa Senhora do Carmo e no Centro de Eventos Populares Osório Peixoto (Cepop).

A previsão do Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT) é de que outras quatro regiões voltem a ser atendidas nos próximos dias, com terminais de integração na BR-101 (Shopping Estrada), BR-356 (Furnas), RJ-158 (Ambev) e em Guarus (Dical).

Com o início da integração das linhas, começa a fase transição do sistema de transporte urbano do município para o modelo tronco-alimentador. Batizado de Mobi Campos, o novo modelo terá ônibus atendendo à região Central, onde há maior demanda, enquanto vans e micro-ônibus farão os trechos até distritos e localidades.

Integração — De acordo com o IMTT, a integração entre os dois modais acontecerá em seis terminais, onde passageiros vindos de distritos e localidades poderão desembarcar de vans ou micr0-ônibus e tomar ônibus em direção ao Centro, ou vice-versa, pagando uma única tarifa.
Por enquanto, porém, começou apenas a integração física dos modais, com a criação dos dois primeiros terminais provisórios. As estruturas foram improvisadas com tendas, banheiros químicos e tapumes, mas serão substituídas por construções próprias às necessidades de conforto e segurança dos passageiros.

Já a integração tarifária só será possível após a implantação do sistema de bilhetagem eletrônica. Até que isso aconteça, os passageiros deverão pagar duas tarifas. O prazo dos permissionários para instalação dos equipamentos é de 60 dias a partir da data de assinatura do contrato.

Até que a bilhetagem eletrônica tenha sido implantada, os ônibus continuarão cobrando tarifa de R$ 2,75.