Suspensão de aulas de capoeira gera protesto em unidade municipal

Prefeitura de Campos diz que mantém atendimento, apesar de contingenciamento e demissão na Vila Olímpica do Jockey

Geral
Por Redação
13 de agosto de 2019 - 15h15

Alunos de capoeira protestaram contra suspensão das aulas (Foto: Reprodução)

Alunos de capoeira da Vila Olímpica do Jockey Clube, em Campos, fizeram uma manifestação pacífica contra a saída do professor Gilberto Totinho que exercia a função como prestador de serviço da instituição, desde 2015. As aulas de capoeira estariam suspensas, mas não foi explicado o motivo da suspensão das atividades. Mais de 100 alunos estão matriculados na modalidade. Alguns resolveram protestar contra a decisão da Fundação Municipal de Esportes em interromper as aulas.

“A capoeira é a modalidade com o maior número de matriculados na Vila Olímpica. Antes de existir o prédio, já se pratica o esporte no local. Disseram que é contingenciamento das despesas, mas não explicaram os critérios desse desligamento e a suspensão da capoeira no local. Sugeriram para que a gente atuasse como voluntário, mas neste momento não é possível atender dessa forma”, disse Gilberto Totinho que dava aulas três por semana e recebi R$1040 pela atividade.

Em nota, o presidente da Fundação Municipal de Esportes, Raphael Thuin, disse que todas atividades estão garantidas e continuarão a ser realizadas nos CEDEs. “Com o Decreto de Contingenciamento, precisamos fazer algumas adequações e adaptações. Porém, os projetos estão garantidos”, afirmou, acrescentando que as aulas no polo do Jockey, por exemplo, que foram suspensas esta semana, serão retomadas nos próximos dias.

A capoeira é desenvolvida em sete polos pela Prefeitura de Campos, através da Fundação Municipal de Esportes. Cerca de 500 crianças, jovens, adultos e idosos  frequentam os Centros Esportivos da Escola (Cedes) do Alphaville, Esplanada, Jardim Carioca, Jóquei, Santa Clara, Casa do Futsal e na sede da FME.