“Nunca acreditamos na inocência dele”, diz mãe do pequeno Mateus sobre sobrinho que confessou assassinato

Gleiciane contou sobre comportamento do sobrinho dela e sobre desejo de Justiça

Campos
Por Priscilla Alves
20 de junho de 2019 - 19h12

A mãe do pequeno Mateus de Almeida Santos, de dez anos, morto após ser estuprado em um matagal no Novo Jóquei, em Campos, conversou com a reportagem do Terceira Via sobre o caso. Gleiciane de Almeida da Conceição falou sobre o comportamento de Fábio Eduardo da Conceição, 18 anos, sobrinho dela e que confessou ter estuprado e assassinado Mateus. Comentou ainda sobre as suspeitas contra ele e outros detalhes do dia do crime e o que aconteceu até o suspeito ser preso e confessar ser autor do estupro e do homicídio.

“O Fábio Eduardo entrava e saía na minha casa normalmente. A gente nunca imaginou que isso fosse acontecer e que ele poderia fazer isso com o primo. No dia do ocorrido, ele apareceu e nos avisou que encontrou o Mateus sem roupa no matagal, mas desde o início nunca acreditamos na versão dele. Sempre achamos que ele era suspeito e sempre falamos isso, porque era uma rua distante e um matagal de difícil acesso. A história que ele contou não fazia sentido”, explicou a mãe.

Ainda segundo Gleiciane, Mateus era o filho mais novo e tinha outros cinco irmãos. “Era uma ótima criança e ninguém entende porque isso aconteceu”.

Sobre o sobrinho, Fábio Eduardo, a mãe de Mateus diz que quer que ele permaneça preso. “Ele ainda teve o atrevimento de ir ao velório, de depois entrar na minha casa como se fosse inocente. Ele foi frio, calculista… Falava que era inocente, que não tinha sido ele. A gente quer Justiça e que ele pague pelo que ele fez para não fazer com mais ninguém”, desabafou.

O caso
Fábio Eduardo foi preso na última terça-feira (18) na casa da namorada em Bom Jesus do Itabapoana. Ele confessou ter estuprado e assassinado o primo Mateus, crime que aconteceu no último domingo (16). Além deste crime contra Mateus, Fábio Eduardo também confessou um segundo estupro contra outra criança da família. A polícia investiga ainda um terceiro caso, também contra uma criança, e pede que outras possíveis vítimas compareçam à delegacia para novas denúncias.

Segundo a delegada adjunta da 134ª Delegacia do Centro, Natália Patrão, Fábio Eduardo criou um álibi para justificar o que aconteceu com o primo.

“A versão inicial do acusado é que ele viu o Mateus na garupa de uma moto suspeita e, em seguida, ao procurar pelo primo o encontrou em um matagal desmaiado. Porém, a criança que estava na companhia da vítima disse que o acusado foi quem buscou a vítima com uma moto. Após estuprar e estrangular o primo, Fábio Eduardo voltou ao local com outro adolescente para fingir que havia encontrado a vítima naquela hora e assim criar um álibi. Também causou suspeita o fato de que esta área de vegetação onde a criança foi encontrada tem dimensão entre média e grande e Fábio Eduardo foi ao local exato onde a criança estava desmaiada já de noite usando apenas uma lanterna de celular”, explicou.

Ainda segundo a delegada, Fábio Eduardo confessou que matou o primo porque ele havia dito que iria contar para a mãe sobre o estupro. “Ele disse que ficou com raiva e começou a estrangular a criança”, contou.

Mateus deu entrada no Hospital Ferreira Machado na noite do último domingo (16) ainda vivo, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada de segunda (17).

Ainda segundo a delegada Nathália Patrão, Fábio Eduardo já cumpriu pena por dois anos na unidade do Degase quando era menor de idade pelos crimes de tráfico e latrocínio contra um taxista. Ele atualmente estava em liberdade assistida.