“Frio e sem arrependimento”, diz delegada sobre jovem que confessou ter estuprado e matado o primo de dez anos

Fábio Eduardo disse que havia encontrado a vítima desacordada; fez homenagem nas redes sociais após a morte e foi ao velório

Campos
Por Priscilla Alves
19 de junho de 2019 - 19h47

Completamente frio, sem tristeza, sem demonstrar arrependimento e com indícios de psicopatia. Essas foram as características demonstradas por Fábio Eduardo da Conceição, de 18 anos, que confessou ter estuprado e assassinado o primo Mateus de Almeida dos Santos, de dez anos, segundo a delegada adjunta da 134ª Delegacia de Polícia do Centro, Nathália Patrão. Além deste crime contra o primo, Fábio Eduardo também confessou um segundo estupro contra outra criança da família. A polícia investiga ainda um terceiro caso, também contra uma criança, e pede que outras possíveis vítimas compareçam à delegacia para novas denúncias.

Na tarde desta quarta-feira (19) a delegada, junto com Bruno Cleuder, delegado titular da mesma delegacia, divulgaram detalhes sobre o caso, que já é considerado como solucionado. “O acusado vai ser indiciado por estupro de vulnerável e por homicídio duplamente qualificado (por asfixia e ocultação do crime de estupro). A gente pediu a prisão temporária dele de 30 dias e o inquérito será encerrado até segunda-feira. A gente acredita que esse tipo de crime era corriqueiro e que outras vítimas podem aparecer”, informou o delegado Bruno Cleuder.

Crime desvendado
Segundo a delegada Nathália Patrão, uma criança de dez anos que estava com a vítima em um fliperama foi a testemunha principal do caso, pois deu características contundentes do acusado. Além disso, durante os depoimentos que prestou, Fábio Eduardo caiu em contradições e o fato dele ter fugido após o segundo depoimento também levantou suspeitas.

“A versão inicial do acusado é que ele viu o Mateus na garupa de uma moto suspeita e, em seguida, ao procurar pelo primo o encontrou em um matagal desmaiado. Porém, a criança que estava na companhia da vítima disse que o acusado foi quem buscou a vítima com uma moto. Após estuprar e estrangular o primo, Fábio Eduardo voltou ao local com outro adolescente para fingir que havia encontrado a vítima naquela hora e assim criar um álibi. Também causou suspeita o fato de que esta área de vegetação onde a criança foi encontrada tem dimensão entre média e grande e Fábio Eduardo foi ao local exato onde a criança estava desmaiada já de noite usando apenas uma lanterna de celular”, explicou a delegada.

Ainda segundo a delegada, Fábio Eduardo confessou que matou o primo porque ele havia dito que iria contar para a mãe sobre o estupro. “Ele disse que ficou com raiva e começou a estrangular a criança, mas que não queria matar”, contou.

Frieza
Mateus deu entrada no Hospital Ferreira Machado na noite do último domingo (16) ainda vivo, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada de segunda (17). Algumas horas após a confirmação de sua morte, Fábio Eduardo postou uma mensagem em uma rede social lamentando pela perda do primo. “Ele ainda foi ao velório da criança e agiu normalmente”, contou a delegada.

Outras passagens pela polícia
Ainda segundo a delegada Nathália Patrão, Fábio Eduardo já cumpriu pena por dois anos na unidade do Degase quando era menor de idade pelos crimes de tráfico e latrocínio contra um taxista. Ele atualmente estava em liberdade assistida.

Possíveis novas vítimas
A Delegacia de Campos pede que outras possíveis vítimas de estupro compareçam à DP para fazer novas denúncias contra Fábio Eduardo. “Novas diligências de novas investigações estão acontecendo. As outras vítimas também são crianças. Temos uma confirmada e estamos checando uma terceira”, informou a delegada.

No presídio
Como o Presídio Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos, não está recebendo novos detentos por causa dos recentes casos de morte por meningite, Fábio Eduardo vai ser encaminhado em breve para o Presídio de Itaperuna. Ele ficará em uma cela diferenciada por causa do tipo de crime que cometeu. A delegacia pediu temporária do acusado por 30 dias.