Ativação da Central de Abastecimento é esperança de mais negócios no campo

Data para funcionamento da Ceasa ainda não foi divulgada

Geral
Por Redação
23 de maio de 2019 - 17h28

Foto: PMCG

É com a reabertura da Central de Abastecimento de Campos, antigo Ceasa, que o agricultor Nei Vicente Barros Pereira, 51 anos, vê com expectativa o futuro das terras da família, que há mais de 100 anos passam de geração em geração e são o sustento da casa. Prevista para operar no final do ano, a iniciativa da Prefeitura de Campos em reativar o espaço com base no moderno modelo de Polo Agroalimentar vai servir não somente de cenário para negócios, mas incentivar a expansão da produção agrícola no município.

“As terras da nossa família têm 7 alqueires no total, meu irmão e eu plantamos 2 alqueires. Só não plantamos mais porque não tenho para onde vender. É terra boa, produtiva, com área de mata que preservamos e vamos continuar, mas que poderíamos plantar bem mais. Com certeza, quando reativarem a Central eu vou poder ampliar e até plantar outros alimentos, como aipim, limão, laranja poncã e abacaxi. Coisas que eu não posso hoje porque não tenho mercado para isso, não tenho para onde vender”, planeja Nei, que atualmente comercializa para hortifrutis de bairro, supermercados e para distribuidores.

A nova Central de Abastecimento de Campos (Ceascam) terá espaço não somente para grandes produtores, mas será construído também um Pavilhão Extra específico para os pequenos agricultores — a pedra baixa, chamada assim para atender a altura das caminhonetes e picapes utilizadas por eles.

“Foi tudo pensado para não deixá-los de fora. A abertura do Ceascam vai garantir a ampliação das lavouras porque nosso produtor terá mercado para vender, que é o além de Campos. Temos muitas propriedades que não plantam em sua total capacidade porque não têm para quem vender. A ampliação das lavouras vai agregar mais renda para essas famílias que vivem da terra e dará mais dignidade para esses produtores”, comenta o secretário de Agricultura, Nildo Cardoso.

Foto: PMCG

Na estrutura do Ceascam, o Pavilhão 1 (pedra alta) receberá grandes caminhões de grandes produtores e distribuidores, e o Pavilhão Extra, ao lado, receberá os agricultores de menor porte. Mesmo ainda sem operar, a Central já despertou o interesse de quem produz e vende na região.

“É muito natural esse interesse, uma vez que estamos estrategicamente localizados entre duas grandes centrais, a do Rio e a de Cariacica, no Espírito Santo, e estamos em um estado que não produz tanto, com exceção da região Serrana do Rio. São R$ 15 milhões de habitantes para atender”, acrescentou Nildo.

A reativação está prevista para o final deste ano. É um dos principais projetos de fomento econômico da Prefeitura de Campos. O espaço passará por reformas, cuja primeira fase será licitada no final de junho.

A estrutura – A Central de Abastecimento de Campos vai ocupar espaço de 240 mil m² de área. (Ceascam) – Polo Agroalimentar. A estimativa é que a Ceascam envolva 50 mil trabalhadores rurais de Campos e região, com movimentação de 7 mil pessoas por dia em 3.500 veículos. No primeiro ano, serão gerados dois mil empregos diretos no primeiro ano , podendo chegar a 4 mil no segundo ano.