Servidores municipais em greve protestam na Câmara de Campos

Sindicato reclama que negociações com Prefeitura recuaram em vez de avançar

Campos
Por Redação
21 de maio de 2019 - 18h23

Servidores ocuparam o Plenário do Legislativo nesta terça-feira (Foto: Carlos Grevi)

Os servidores públicos municipais de Campos, que estão em greve desde o dia 15 de maio, realizaram um protesto, nesta terça-feira (21), na Câmara de Vereadores. A principal reivindicação da categoria é reposição salarial de 11% a 15%, já que não há reajuste desde 2015. O Sindicato dos Profissionais Servidores Públicos Municipais de Campos (Siprosep) reclama que, em vez de avançar, as negociações com a Prefeitura recuou.

Os manifestantes levaram para o plenário do Legislativo placas com a palavra “greve”, enquanto acontecia a sessão. De acordo com o diretor do Siprosep, Carlos Augusto Leão, o objetivo é sensibilizar a prefeito Rafael Diniz para a luta dos servidores.

“Nem os 4.18% que o prefeito ofereceu no início das negociações ele quer dar mais. É importante deixar claro que não estamos pedindo reajuste. O que pleiteamos é a reposição das perdas de nosso salário nos últimos anos”, destacou o diretor do Siprosep.

Ainda segundo Carlos Augusto, a ideia do sindicato é fazer manifestações em dias alternados para não causar grande impacto na rotina da cidade.

Nessa segunda-feira (20), em assembleia geral, os servidores municipais decidiram manter a greve. Com isso, apenas 30% do efetivo está operando.

Reivindicações — A categoria pede reposição de perdas salariais acumuladas em três anos e garantia de direitos previsto no PCS, como a progressão salarial, que não acontece desde 2015. Retorno do plano de saúde e aumento do auxílio também estão na pauta de reivindicação dos servidores.

“Pedimos que a Prefeitura aumente em 100% o auxílio alimentação, passando de R$ 200 para R$ 400. Também queremos que o Governo coloque a progressão das chamadas letras em dia. Já temos uma defasagem de duas letras e cada uma delas representa um reajuste de 2,5% cada letra). Por fim, temos como urgente a volta do plano de saúde do servidor. Encontramos funcionários públicos adoentados, sem o devido atendimento por não terem plano. É algo que o Sindicato quer resolver o mais rápido possível”, disse Sérgio Almeida, presidente do Siprosep, em entrevista ao Jornal Terceira via, na manhã desta terça.

A equipe de reportagem aguarda posicionamento da Prefeitura de Campos sobre o assunto.