Servidores públicos municipais de Campos deflagram greve geral nesta quarta-feira

Se negociações com Prefeitura não avançarem até sexta, paralisação será por tempo indeterminado

Campos
Por Redação
15 de maio de 2019 - 8h59

Manifestação de servidores no último dia 6 (Foto: arquivo)

Os servidores públicos municipais de Campos estão em greve geral a partir desta quarta-feira (15), já que as negociações entre Prefeitura e categoria não avançaram em relação a reajuste salarial e outras reivindicações. De acordo com o Sindicato dos Profissionais Servidores Públicos Municipais de Campos (Siprosep), apenas 30% do efetivo nas repartições públicos estão operantes, conforme determina a lei. Caso não haja consenso entre as partes, até próxima sexta-feira, a greve será por tempo indeterminado.

Segundo o diretor do Siprosep, Carlos Augusto Leão, a greve geral conta, inclusive, com forte adesão dos servidores da Saúde e Educação. A expectativa da categoria é de que haja consenso até sexta-feira, quando haverá uma assembleia na sede do sindicato. Caso não haja entendimento, a paralisação dos servidores públicos municipais será por tempo indeterminado.

Os servidores não aceitaram a proposta de reajuste de 4.18% oferecida pelo prefeito Rafael Diniz. “Acumulamos perdas salariais ao longo dos últimos anos. Por isso, fizemos uma contraproposta, que seria repor essas perdas em três meses. Em abril seria concedido reajuste de 4,18%, em maio outros 2,72% e em julho mais 4.78%, que daria algo em torno de 11%. Estamos aguardando uma resposta”, detalhou Carlos Augusto.

O presidente da Associação dos Guardas Civis Municipais de Campos, Marlon Andrews Silva, informou que a corporação amanheceu aquartelada nesta quarta. “Apenas 30% do efetivo estão nas ruas. O restante está na sede da Guarda ou nos destacamentos”, detalhou.

Reivindicações

A categoria pede reposição de perdas salariais acumuladas em três anos e garantia de direitos previsto no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), como a progressão salarial, que não acontece desde 2015. Retorno do plano de saúde e aumento do auxílio também estão na pauta de reivindicação dos servidores.

Confira a posicionamento da Prefeitura sobre o assunto:

A Prefeitura de Campos se mantém aberta ao diálogo junto às categorias e na última sexta-feira (10) recebeu proposta por parte dos representantes dos servidores municipais, solicitando reajuste acima do valor prudencial de 4,18% – limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) – o que foi estudado pelo corpo técnico da Prefeitura e torna-se inviável neste momento. É importante lembrar que nos últimos dois anos, a Prefeitura de Campos mantém conversa com os servidores, apresentando de forma transparente os impactos que o município teve com a crise econômica e queda dos royalties de petróleo. Graças aos esforços realizados por sua equipe econômica, a Prefeitura mantém os salários dos servidores em dia e, em paralelo, a atual gestão está saldando, também, uma dívida de R$ 180 milhões com o Instituto de Previdência dos Servidores de Campos (PreviCampos), deixada pela gestão anterior.

Leia também: Servidores promovem paralisação de 24 horas