Educação faz protesto contra contingenciamento de verbas das federais

Alunos, professores e funcionários da Uenf e do IFF participam de ato contrário à decisão do MEC; veja vídeos

Geral
Por Marcos Curvello
15 de maio de 2019 - 8h11

(Foto: Gilberto Gomes/DCE Uenf)

Alunos, professores e funcionários da rede pública de ensino superior protestam, na manhã desta quarta-feira (15), contra o contingenciamento de verbas de custeio de universidades e institutos federais. Atos acontecem em frente à Universidade Estadual Darcy Ribeiro (Uenf) e aos campi Campos Centro e Guarus do Instituto Federal Fluminense (IFF).

No Parque Califórnia, alunos da Uenf exibem faixas com dizeres contrários à decisão do Ministério da Educação (MEC) e ao governo Jair Bolsonaro. Os manifestantes chegaram a interromper o trânsito na Avenida Alberto Lamego, em sentido ao Centro, ateando fogo a pneus. Mas, o tráfego já foi liberado. A Polícia Militar (PM) está no local.

Alunos do IFF também se manifestam na rua Barão da Lagoa Dourada, nas imediações do campus Campos Centro, no Parque Dom Bosco. Já em Guarus, eles saíram em caminhada da avenida Professora Carmem Carneiro, em direção ao Centro.

Por volta das 10h, centenas de pessoas participaram de um ato no Boulevard Francisco de Paula Carneiro (Calçadão), no Centro de Campos. O movimento teve a participação do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) e Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro/NF). Em seguida, os manifestantes se concentraram na Praça São Salvador, onde permaneceram até a tarde.

Os atos contam com a participação de entidades sociais e de classe e acontece em dia que promete ser marcado por paralisações de alunos, professores e funcionários da Educação em todo o país.

(Foto: Divulgação)

Os atos foram convocados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e são uma resposta ao bloqueio de 30% nas verbas de custeio das unidades de ensino federais. A media afeta a própria manutenção de universidades e institutos, uma vez que esta verba é usada no pagamento de contas de consumo, como luz e água, de contratos de serviços, como segurança e limpeza, e de pesquisa, na forma de bolsas e equipamentos, por exemplo.

Ministro terá que explicar medida — O ministro da Educação, Abraham Weintraub deverá prestar, nesta quarta-feira (15), esclarecimentos sobre os bloqueios no orçamento do setor ao plenário da Câmara dos Deputados.

O requerimento de convocação de Weintraub foi aprovado nesta quarta-feira, por 307 votos favoráveis e 82 contrários. O comparecimento do ministro é obrigatório. Caso não apresente “justificação adequada” em caso de ausência, pode incorrer em crime de responsabilidade , conforme prevê a Constituição Federal.

Professores e estudantes tomaram o Calçadão no Centro de Campos(Foto: Carlos Grevi)

Weintraub será ouvido em uma “comissão geral” (sessão de debates no plenário). Ele é o primeiro ministro do governo Jair Bolsonaro convocado por alguma das casas do Congresso.

Veja vídeo abaixo: