Delegado investiga morte de jovem baleado após show em Campos

O autor do crime é um policial militar reformado que alegou ter disparado acidentalmente após desentendimento

Campos
Por Redação
7 de maio de 2019 - 12h10

Delegado Bruno Cleuder, da 134ª Delegacia de Polícia Civil (Foto; JTV)

A Polícia Civil segue na investigação da morte do jovem Thiago Ferreira de Oliveira, 19 anos, morto a tiros, no último domingo (5), após um show na Usina do Queimado, em Campos. Na manhã desta terça-feira (7), o delegado da 134ª DP, Bruno Cleuder, falou em entrevista coletiva sobre a versão contada pelo autor do crime, um policial reformado, que alega ter disparado acidentalmente após se desentender com a vítima que estaria em comportamento alterado, segundo ele.

De acordo com o delegado Bruno Cleuder, o policial aposentado que atirou em Thiago, disse que passou pelo local do evento, que o jovem estava descontrolado e gritando com todo mundo próximo à saída do show na Usina do Queimado. O rapaz teria socado o carro do policial. Ele desceu do automóvel e se identificou como policial, mas foi agredido. Segundo o autor, ele deu um tiro de advertência no chão, mas a vítima não se intimidou. O acusado disse que tentou dar uma coronhada com a arma para se defender, mas que o tiro foi disparado acidentalmente.

Como não houve flagrante ou mandado de prisão, o acusado se apresentou na 134ª Delegacia de Polícia espontaneamente acompanhado do advogado. Foi ouvido e liberado em seguida. A arma utilizada no crime, uma pistola 380, foi apreendida, além das munições e carregador. O material retido será submetido à perícia. O resultado será comparado ao laudo cadavérico da vítima. Esta perícia deve levar dez dias para ser concluída e apresentada.

Corpo de Thiago após ser baleado (Foto: Divulgação)

“Há vários tipos de tiros disparados. A perícia confirmará ou não a versão do acusado. Outras provas testemunhais também serão utilizadas na investigação. Duas testemunhas amigas da vítima prestaram depoimentos à Polícia Civil. A namorada de Thiago também foi ouvida e ela negou a versão do autor dos disparos”, informou o delegado.

O policial reformado não teve o nome revelado. Ele reside em Campos, tem 46 anos, mas serviu no Batalhão de Macaé. Enquanto não sair o exame cadavérico e o laudo pericial, ele ficará em liberdade.

Cena do crime

Thiago Ferreira de Oliveira foi baleado e morto dentro da área pertencente à Usina do Queimado, na Avenida Nilo Peçanha, em Campos, após um show do cantor Dilsinho, na madrugada de domingo (5). Uma mulher que preferiu não se identificar, disse que estava saindo do evento quando um carro modelo Astra branco chegou e um homem desceu, disparando tiros em direção a Thiago. Segundo ela, o homem mirou no rosto do rapaz. A ação aconteceu em menos de um minuto e o carro partiu em seguida. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros foram acionados, mas encontraram a vítima sem vida

Thiago Ferreira de Oliveira (Foto: Divulgação)