Chikungunya: casos em Campos aumentam quase 1.400% em relação a 2018

Estatística comparar meses de janeiro a abril; de segunda até a manhã de quinta, 809 pessoas procuraram o CRDI

Geral
Por Redação
18 de abril de 2019 - 15h53

Doença é transmitida por mosquito (Foto: reprodução)

Os casos registrados de chikungunya em Campos dos Goytacazes, de janeiro à primeira quinzena de abril de 2019, já somam 1.933, enquanto no mesmo período do ano passado não passaram de 141 pessoas infectadas. Os números divulgados pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde apontam um aumento de 1.370% de um ano para o outro. Apesar dos índices, o órgão afirmou que não há epidemia na cidade. Já os números da dengue e da zika no município seguem controlados.

Em janeiro deste ano foram 551 confirmações mediante exames em Campos. Em fevereiro foram confirmados 532 casos, em março outros 637 e, em abril, até o momento, 213 pacientes tiveram sorologia positiva para chikungunya.

“Os números das arboviroses em Campos mostram que o vírus continua a circular no município, ainda que não mais em nível epidêmico, como em meado do ano passado, quando foram mais de 2 mil casos em junho. Mesmo assim, a Vigilância em Epidemiológica da cidade orienta à população que continue a receber os agentes de combate a endemias e com a prevenção em suas residências, já que a luta contra o Aedes aegypti, vetor das doenças, deve ser contínua”, afirmou a Vigilância Epidemiológica em nota.

Apenas na manhã desta quinta-feira (18), 150 pessoas procuraram atendimento no Centro de Referência de Doenças Imuno-infecciosas (CRDI) de Campos e o movimento seguiu ao longo da semana. Segundo o órgão, na última segunda-feira (15), 276 pacientes foram atendidos, outros 157 na terça-feira e mais 226 pessoas foram assistidas pelo CRDI na quarta.

Uma das pacientes a procurar assistência médica no CRDI foi a operadora de caixa Jéssica Andrade do Rosário. Há duas semanas ela começou a sentir os sintomas da chikungunya. Nesta quinta-feira Jéssica voltou para mostrar os exames, mas os resultados foram inconclusivos. “Terei que repetir os exames para confirmar se é chikungunya, mas acredito que seja, sim, por causa das dores nas articulações e da febre”, comentou.

A chikungunya é uma doença transmitida pelo mosquito Aedes aegipty, assim como a dengue e a zika. Os sintomas geralmente aparecem depois de uma semana de infecção. Febre e dor nas articulações surgem subitamente. Dor muscular, dor de cabeça, fadiga e erupção também podem ocorrer. O tratamento visa aliviar os sintomas e a maioria das pessoas se sente melhor em cerca de uma semana, depois que o vírus segue seu curso.

Dengue e zika — De janeiro até os 15 primeiros dias de 2019 foram registrados 30 casos de dengue em Campos e nenhum de zika até o momento. No ano passado (janeiro a abril) foram 53 pessoas infectadas pela dengue, com confirmação, e nenhum caso de zika.

Confira os números divulgados pela Vigilância Epidemiológica:

Em 2019

CHIKUNGUNYA (confirmados)

Janeiro: 551

Fevereiro: 532

Março: 637

Abril (até o momento): 213.

DENGUE (confirmados)

Janeiro: 4

Fevereiro: 9

Março: 6

Abril (até o momento): 11

ZIKA

Sem casos confirmados até o momento.

Em 2018 

CHIKUNGUNYA (confirmados)

Janeiro: 7

Fevereiro: 4

Março: 8

Abril: 122

DENGUE (confirmados)

Janeiro: 7

Fevereiro: 2

Março: 4

Abril: 40

ZIKA

Sem casos confirmados de janeiro a abril.

Leia também:

Mais de 7.300 casos de chikungunya foram confirmados em Campos em 2018

Campos vive epidemia de Chikungunya com 2 mil casos registrados, afirma prefeitura