Dois meses à espera de cirurgia no Ferreira Machado

Jenifer Feliciano está internada com infecção na vesícula; Hospital teria alegado não dispor de material cirúrgico

Campos
Por Redação
22 de março de 2019 - 16h35

Jenifer Feliciano sente dores e espera por cirurgia há dois meses (Foto:Reprodução)

No dia 23 de março completam 60 dias de internação da dona de casa Jenifer Feliciano no Hospital Ferreira Machado, em Campos. A paciente de 20 anos de idade chegou à unidade sentindo fortes dores e, após exames de ressonância magnética, verificou-se que ela tinha pedras na vesícula que desceram para a veia biliar. Esta é a explicação dada pela irmã da paciente, Jaíne Feliciano. Ela diz que Jenifer espera por uma cirurgia desde 4 de fevereiro. O procedimento não foi realizado porque os médicos alegaram faltar material cirúrgico avaliado em torno de R$4,5 mil.

Há dois meses Jenifer não vê os filhos por estar isolada no HFM (Reprodução)

Ainda de acordo com Jaíne Feliciano, a longa espera tem causado muitos transtornos para Jenifer e para a família da paciente. “Eu e minha mãe nos revezamos como acompanhantes no hospital. Minha irmã tem dois filhos pequenos e faz dois meses que ela não pode ter contato com eles, pois está em área de isolamento. A filha menor deixou de ser amamentada porque não pode haver visitas. Meus sobrinhos agora estão com a avó paterna para que eu e minha mãe possamos trabalhar e ficar no hospital. Jenifer já teve várias infecções. Ela não consegue se alimentar, está no soro e com sedação porque ainda sente dores”, explica.

A informação sobre a falta de material cirúrgico dada à família de Jenifer Feliciano foi relatada pelos médicos que cuidam dela. “São Guilherme Alcântara e Guilherme Falcão. Eles são muito atenciosos. Por três vezes marcaram a  cirurgia, mas cancelaram devido à falta do material que estaria sob a responsabilidade de compra com a  Secretaria de Saúde e a Fundação Municipal de Saúde. Custa menos de R$5 mil. A gente não tem condição de comprar e eu estou com medo que a saúde dela piore”, diz Jaíne que trabalha como vendedora. A mãe delas é diarista. A família é moradora do Parque Guarus. “O fígado dela está ameaçado sem a cirurgia, nos disseram os médicos. Estamos com medo”, lamentou.

A Secretaria Municipal de Saúde e a Fundação Municipal de Saúde foram procuradas pela reportagem. A Superintendência de Comunicação da Prefeitura de Campos enviou uma nota, mas não especificou quando o material cirúrgico será adquirido e quando a cirurgia da paciente Jenifer Feliciano será realizada.

A nota diz:  “A Fundação Municipal da Saúde (FMS) não mede esforços para que os procedimentos junto à paciente possam ocorrer o mais breve possível. A paciente deve realizar um exame chamado CPRE (Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica) e, para efetivação do mesmo, já foi realizado processo licitatório para aquisição de materiais específicos. Conforme publicado em Diário Oficial em janeiro, a licitação foi realizada no início de fevereiro e segue os trâmites e prazos legais para homologação”.