Ataques deixam 49 mortos na Nova Zelândia

Assassino transmitiu ataque em rede social; três pessoas foram detidas, outras 48 pessoas ficaram feridas, sendo 20 em estado grave

Mundo
Por Redação
15 de março de 2019 - 17h36

Ferido é socorrido após atentado (Reuters)

Ataques a tiros simultâneos contra duas mesquitas na cidade de Christchurch, na ilha sul da Nova Zelândia, deixaram 49 mortos e 48 feridos nesta sexta-feira (15). As autoridades ainda não divulgaram as identidades das vítimas e dos assassinos.

 

 

 

Resumo

Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixaram 49 mortos;

48 pessoas ficaram feridas, sendo 20 em estado grave;

3 pessoas estão presas; uma quarta chegou a ser detida, mas foi liberada por não ter ligação com o caso;

A polícia não informou a identidade dos suspeitos e das vítimas;

Numa das mesquitas, um homem armado com um rifle automáticodisparou contra a multidão;

Usando uma câmera no capacete, o assassino filmou e transmitiu ao vivo o massacre;

O Facebook eliminou as contas do criminoso e trabalha para remover cópias do vídeo;

Na rede, o homem se identificou como um australiano de 28 anos, defensor da extrema-direita e contrário à imigração;

Os alvos dos ataques foram as mesquitas de Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley, e de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, reunidas para as tradicionais orações do meio-dia de sexta-feira.

Três pessoas estão presas em conexão com os ataques. Uma quarta chegou a ser detida, mas foi liberada por não ter ligação com o caso, segundo a polícia. As autoridades informaram que não está descartada a hipótese de que outros criminosos estejam envolvidos e foragidos. Nenhum dos suspeitos sob custódia estava em listas de observação da polícia.

Família muçulmana após atentado (Foto: Reuters)

Dos 49 mortos, 41 morreram na mesquita Masjid Al Noor, sete na Linwood e apenas um chegou a ser socorrido com vida, mas não resistiu. Entre os feridos, há crianças e adultos. O governo informou que 12 dos feridos estão em estado grave e precisaram passar por cirurgias. O governo da Malásia afirmou que dois dos feridos são malaios.

Assassino começou a atirar antes de entrar em mesquita na Nova Zelândia.

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, definiu o ataque como “um ato de violência sem precedentes na Nova Zelândia” e que esse é“um dos dias mais sombrios e sangrentos da história do país”. “Esse tipo de violência não tem lugar na Nova Zelândia.”

A dinâmica dos ataques ainda não está clara. Porém, o primeiro relato de tiros foi na mesquita de Al Noor, na região central da cidade. Um homem com um rifle automático invadiu o prédio 10 minutos após o início das orações, que começaram às 13h30 desta sexta-feira (22h30 desta quinta no horário de Brasília). Quarenta e uma pessoas morreram no local.

Com uma câmera instalada em um capacete, o assassino conseguiu transmitir o massacre, ao vivo, pelo Facebook. O vídeo mostra que ele atirou indiscriminadamente contra homens, mulheres e crianças enquanto caminhava.

Ahmad Al-Mahmoud, de 37 anos, que rezava quando os disparos começaram, disse ao site Stuff que ele e outros fiéis quebraram vidros de janelas da mesquita para conseguir escapar.

Segundo testemunhas, além do capacete no qual estava a câmera, o assassino usava óculos e um caso de estilo militar. Ele foi descrito como branco, loiro, magro e de baixa estatura.

As contas do assassino no Facebook e no Instagram foram removidas. O Facebook afirmou que estava trabalhando para remover as cópias do vídeo.

Primeira ministra da Nova Zelândia repudia ataque à mesquita

Manifesto de extrema-direita

De acordo com o jornal “The Guardian”, Brenton Tarrant, um dos suspeitos de ser o autor de um dos ataques, deixou um manifesto em que afirma ter 28 anos, ser australiano, defensor da ideologia de extrema-direita e anti-imigração. O documento de 74 páginas fala em genocídio promovido por brancos e possui uma lista com vários objetivos, incluindo a criação de “uma atmosfera de medo” contra os muçulmanos.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, confirmou que um cidadão australiano foi preso na Nova Zelândia. Porém, a polícia neozelandesa não confirma que o homem identificado pela imprensa está entre os detidos.

A polícia neozelandesa informou que um homem de 28 anos acusado de assassinato será apresentado neste sábado ao Tribunal Distrital de Christchurch, sem informar a identidade.

Fonte: G1