Tiroteio em escola deixa dez pessoas mortas na Grande São Paulo

Os dois atiradores se mataram logo após o ataque. Bombeiros e equipes do Samu estão no local

Geral
Por Redação
13 de março de 2019 - 10h29

Escola Prof. Raul Brasil, em Suzano, foi alvo de disparos (Foto: Reprodução/GoogleMaps)

Dois adolescentes encapuzados mataram a tiros oito pessoas dentro da Escola Estadual Raul Brasil, de Suzano (SP), e cometeram suicídio em seguida, segundo a polícia. Quatro alunos do ensino médio morreram dentro da escola. Outros dois adolescentes chegaram a ser socorridos com vida, mas morreram após dar entrada no hospital. Duas das vítimas são funcionárias da instituição de ensino. O ataque ocorreu por volta das 9h30 desta quarta-feira (13).

Os atiradores foram identificados pela polícia como Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos. Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados. O motivo do ataque e o vínculo dos atiradores com a escola seguem sendo investigados.

Também segundo a polícia, 23 pessoas — entre feridos e aquelas que passaram mal após o atentado — foram levadas para o hospital. Também não há informações sobre o estado de saúde deles. A instituição foi isolada pela polícia e há muitos alunos e funcionários chorando ao redor.

Dentro da escola, a polícia encontrou um arco e flecha e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov. Há ainda uma mala com fios, e o esquadrão antibombas foi chamado.

O coronel Salles, comandante-geral da PM, disse à imprensa que, antes de entrar na escola, os atiradores balearam um homem em comércio próximo à escola.

A capitão Cibele, da comunicação da PM, disse que pouco antes dos disparos na escola, a polícia foi chamada para uma ocorrência com arma de fogo, perto dali. “Mas ainda não podemos precisar se os casos estão relacionados. Policiais estavam indo para esse primeiro chamado e ouviram gritos das crianças. Foram então até a escola, onde os dois criminosos acabaram se matando”, disse ela.

Momentos antes de os autores invadirem a escola, um homem foi baleado em uma loja de veículos nas proximidades. A polícia apura se há relação entre os dois crimes.

Relatos de testemunhas

Rosni Marcelo Grotliwed, estudante de 15 anos, disse que o ataque ocorreu durante o intervalo e que um dos criminosos tinha uma arma e outro, uma faca.

Segundo ele, um dos garotos passou com faca ao seu lado, mas ele conseguiu desviar. “Fui para a diretoria e tinha muita gente morta no chão. Eles gritavam, mas eu não entendi o que era.”

“Meu amigo levou facada no ombro e outro levou um tiro. Fugi com um amigo para minha casa e voltei para buscar um amigo.”

A merendeira Silmara Cristina Silva de Moraes, de 54 anos, contou que ajudou a esconder 50 estudantes na cozinha.

“Nós estávamos servindo merenda e aí começou os ‘pipoco’ e as crianças entraram em pânico. Abrimos a cozinha em começamos a colocar o maior número de crianças dentro e fechamos tudo e pedimos para eles deitarem no chão”, conta chorando. “Foi muito desesperador, porque foi muito tiro, muito tiro mesmo e era muito pânico”.

Autoridades

O governador João Doria cancelou a agenda do dia e chegou à escola em um helicóptero, acompanhado do secretário Estadual de Educação, Rossieli Soares da Silva, do secretário de Segurança, general João Camilo Pires de Campos, e do comandante da PM, o coronel Salles. Doria disse que estava “muito impactado”.

Guilherme Monteiro, um dos atiradores (Foto: Veja SP)

Atendimento a vítimas

O Corpo de Bombeiros e equipes do Samu estão no local. Bombeiros de Mogi das Cruzes também foram chamados, às 9h50, para apoiar o atendimento. O helicóptero Águia, da PM, sobrevoa a escola. Toda a polícia de Suzano está mobilizada no caso.

A prioridade agora é identificar as vítimas e avisar as famílias, segundo as autoridades.

A Prefeitura de Suzano informou que as equipes da Defesa Civil, do Trânsito, da Segurança Cidadã, da Assistência Social e do Fundo Social de Solidariedade estão dando suporte no local para as famílias.

A Associação Cultural Suzanense, o Bunkyo, localizado na avenida Armando Salles de Oliveira, Centro, será ponto de acolhida para familiares, enquanto aguardam informações, e também para receber a imprensa.

A escola

Segundo o Censo Escolar de 2017, a escola possui 358 alunos da segunda etapa do fundamental (6º ao 9º ano) e 693 estudantes do ensino médio.

Fonte: G1