Robô desenvolvido por Polo de Inovação do IFF é testado em Campos

  Trabalho realizado com o dispositivo possibilitou eficiência e redução de custos durante inspeção com vídeo

Tecnologia
Por Redação
13 de fevereiro de 2019 - 17h56

Equipamento foi testado por profissionais da concessionária de água e esgoto (Reprodução)

Um dispositivo desenvolvido com apoio do Polo de Inovação Campos dos Goytacazes (PICG) foi utilizado para uma vídeoinspeção da concessionária Águas do Paraíba, no dia 24 de janeiro de 2019, em Campos. O protótipo percorreu 85 metros dentro de uma galeria parcialmente obstruída que provocava afundamento da pavimentação da avenida José Alves de Azevedo, no Parque Rosário. O robô possui câmera à prova d’água e utiliza de configuração modular adaptável ao ambiente de inspeção.

O aparelho foi construído pela startup Roveq, empresa incubada na Tec Campos. O projeto contou com financiamento da Embrapii, Polo de Inovação e do Fundo de Desenvolvimento de Campos (Fundecam), da Prefeitura de Campos dos Goytacazes. A startup, criada pelo ex-aluno do Curso de Engenharia de Controle e Automação do IFF e atual aluno do Mestrado Profnit, Thiago Rodrigues, foi contratada para a prestação do serviço para a empresa responsável pelo abastecimento de água e tratamento de esgoto do município.

O procedimento foi um teste operacional do dispositivo, e possibilitou à equipe filmar e fotografar as paredes internas e condições estruturais do trecho, percorrendo uma tubulação de 800 milímetros de diâmetro e identificando o local exato e as condições da galeria. Após conclusão do relatório técnico com identificação das anomalias encontradas e suas localizações, a empresa de saneamento pôde então executar obras de correção com o mínimo de impacto na comunidade.

O diretor-geral do Polo de Inovação, Rogério Atem, explicou que o projeto nasceu da ideia de “desenvolver um robô de inspeção que se adaptasse à realidade brasileira, com custos condizentes com essa realidade”, pontuando que os robôs importados atualmente utilizados nesse procedimento não se adaptam com as especificidades das galerias brasileiras ou possuem custo muito elevado.

Thiago Rodrigues conta que o projeto vem sendo desenvolvido desde abril de 2018, com uma equipe formada pelos alunos Juliana Karl Araújo,  João Pedro Marcelino Terra e Leonardo Fernandes, sob coordenação do professor William da Silva Vianna. “O equipamento de robótica de inspeção de dutos está em sua fase final de projeto com inserções em ambiente real para análises de desempenho e ajustes finais”, frisou.