Mais de 7.300 casos de chikungunya foram confirmados em Campos em 2018

Município enfrentou surto epidêmico da doença em maio do ano passado

Saúde
Por Redação
3 de janeiro de 2019 - 13h37

Agentes do CCZ seguem com trabalho de vistoria das residências (Fotos: Silvana Rust)

De acordo com dados da Vigilância em Saúde, órgão ligado à secretaria municipal de Saúde, até o dia 27 de dezembro de 2018, foram confirmados em Campos dos Goytacazes 7.360 casos de chikungunya, 141 casos de dengue e um de zika. Os três últimos dias do ano passado ainda não constam no balanço preliminar do órgão

Ainda segundo a Vigilância em Saúde, o resultado do último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), realizado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) em outubro, foi de 2,6. O órgão destaca que essa é a segunda redução do levantamento desde a epidemia enfrentada pelo município em maio de 2018, quando o LIRAa registrado foi de 6,1. Em agosto, esse número já tinha reduzido para 3,7.

Para o diretor do CCZ, Marcelo Sales, a queda no índice é resultado das ações preventivas que vêm sendo realizadas no município entre o CCZ, a Superintendência de Limpeza Pública, Secretaria de Desenvolvimento Ambiental e a conscientização da população.

O diretor do CCZ enfatiza ainda que as ações continuam nos bairros e foram intensificadas no Farol, neste período, quando aumenta o número de frequentadores na praia campista. O objetivo é amenizar a incidência do mosquito na estação mais quente do ano.

“As chuvas e o calor formam um ambiente propício para a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Por isso, é necessário manter a conscientização e os cuidados, eliminando focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya”, esclarece Marcelo, lembrando sobre a importância da campanha 10 Minutos Contra o Aedes, onde cada pessoa destina 10 minutos, por semana, para fazer uma vistoria no imóvel, incluindo a área externa.