Diretora é assaltada e criminoso leva carro de dentro de escola em Campos

Crime aconteceu na Escola Estadual General Dutra, em Guarus

Campos
Por Redação
9 de novembro de 2018 - 11h55

Assalto ocorreu no interior da Escola Estadual General Dutra (Imagem: Google)

A diretora da Escola Estadual General Dutra, em Campos dos Goytacazes, que pediu para ter seu nome mantido em sigilo, foi assaltada por um bandido armado, na noite da última quinta-feira (8), enquanto deixava a unidade escolar, que fica localizada na Avenida Souza Mota, em Guarus. O assaltante levou o Corolla da vítima, que estava estacionado dentro da escola. O veículo ainda não havia sido recuperado até o final da manhã desta quinta-feira.

De acordo com a vítima, o crime aconteceu por volta das 20h30. Ela estava em companhia da filha, que também leciona na Escola Estadual General Dutra, quando o bandido a surpreendeu. Ainda segundo relato da diretora, ela tinha acabado de abrir o portão para sair com o carro, quando um homem baixo, moreno, vestindo bermuda e uma camisa listrada, entrou pedindo informação sobre uma pessoa.

“Por coincidência, temos uma professora com o mesmo nome da pessoa que o assaltante chegou procurando. Informei que ela já não estava mais na escola e foi aí que ele mostrou a arma e me mandou entregar as chaves do carro. Eu fiquei alguns instantes paralisada com o susto, a ficha demorou a cair, o bandido se irritou e ameaçou atirar em mim”, relatou a diretora, que nunca havia sido assaltada antes.

Ainda segundo a diretora, esta foi a primeira vez que um assalto ocorreu dentro da escola. Ela foi informada que seu carro teria sido visto rodando pelas ruas de Guarus, com marcas de batida, mas as autoridades ainda não conseguiram recuperá-lo. A professora registrou o assalto na 146ª Delegacia de Polícia (Guarus), na noite de quinta-feira.

O circuito de vigilância interno da unidade escolar filmou o bandido, porém, segundo a diretora, as imagens estavam embaçadas por conta da chuva. A filmagem já está à disposição da Polícia Civil.

O Jornal Terceira Via questionou à Secretaria de Estado de Educação quais medidas de segurança seriam tomadas na escola, mas o órgão informou, em nota, apenas que “a direção da unidade de ensino registrou boletim de ocorrência e o caso está sendo investigado”.